Dalai Lama: “o propósito da vida é a felicidade”

Estamos aqui; nós existimos e temos o direito de existir.

Um “ser senciente” é aquele que tem a capacidade de experimentar sentimentos: de dor, de prazer ou neutros. Por exemplo, todo ser senciente tem o direito de sobreviver e, para a sobrevivência, isso significa ter um desejo de felicidade ou conforto: é por isso que os seres sencientes se esforçam para sobreviver. Portanto, nossa sobrevivência é baseada na esperança – esperança de algo bom: felicidade.

Por isso, sempre concluo que o propósito da vida é a felicidade. Com esperança e um sentimento feliz, nosso corpo se sente bem. Então, esperança e felicidade são fatores positivos para a nossa saúde. A saúde depende de um estado de espírito feliz.

A raiva, por outro lado, é baseada em um sentimento de insegurança e nos traz medo. Quando nos deparamos com algo bom, nos sentimos seguros. Quando algo nos ameaça, nos sentimos inseguros e ficamos com raiva. A raiva é uma parte da mente que se defende do que prejudica nossa sobrevivência. Mas a raiva em si nos faz sentir mal e, em última análise, é ruim para nossa saúde.

No nível físico, o prazer que a felicidade traz é bom para o corpo; enquanto a raiva e a infelicidade que ela causa são prejudiciais. Portanto, do ponto de vista da busca pela sobrevivência, o propósito da vida é ter uma vida feliz.

Este é o nível humano básico do qual estou falando. Não estou falando do nível religioso, secundário. No nível religioso, é claro que existem diferentes explicações do propósito da vida. O aspecto secundário é realmente bastante complicado; portanto, é melhor falar apenas no nível humano básico.

Felicidade e o desejo de sentir satisfação 

Como nosso objetivo, o propósito da vida é a felicidade, mas o que é felicidade? Às vezes, o sofrimento físico pode até trazer uma sensação mais profunda de satisfação, como, por exemplo, para um atleta depois de um exercício extenuante.

Então, “felicidade” significa principalmente uma sensação de profunda satisfação. O objetivo da vida ou nosso objetivo, então, é a satisfação.

Felicidade, tristeza ou sofrimento – para eles, existem dois níveis: um nível sensorial e um nível mental.

Considere o caso de pessoas que não sentem ameaças físicas. Elas têm uma vida feliz e confortável, bons amigos, um bom salário e um nome respeitado. Mesmo assim notamos que alguns milionários sentem que são uma parte importante da sociedade, mas muitas vezes são pessoas muito infelizes. Em algumas ocasiões, encontrei pessoas muito ricas e influentes que demonstraram uma sensação muito conturbada, no fundo, sentiam-se solitárias, estressadas e preocupadas. Então, no nível mental, elas sofrem.

Tomemos, por outro lado, aqueles que treinam para os Jogos Olímpicos. Eles passam por um treinamento muito vigoroso e, não importa quanta dor e dificuldade eles experimentem, no nível mental têm felicidade. Portanto, o nível mental é mais importante que a experiência física. Portanto, o que é realmente importante na vida é felicidade e satisfação.

Calma e compaixão trazem felicidade

E quais são as causas da felicidade? Acho que como esse sentimento combina bem com uma mente calma, não com uma mente perturbada, a mente calma é muito importante. Não importa a nossa situação física, a calma mental é mais importante. Então, como podemos alcançar uma mente calma?

Se livrar de todos os problemas seria impraticável. Deixar a mente apática e esquecer nossos problemas, isso também não funciona. Temos que olhar claramente para os nossos problemas e lidar com eles, mas ao mesmo tempo manter uma mente calma para que tenhamos uma atitude realista e possamos tratá-los bem, lidar bem com eles.

Para isso, a afeição humana compassiva é realmente importante: quanto mais compassiva for a nossa mente, melhores serão as funções do nosso cérebro. Se nossa mente desenvolve medo e raiva, quando isso acontece, nosso cérebro funciona mal.

Quando a emoção negativa se desenvolve, não podemos ver a realidade. Quando precisamos tomar uma decisão e a mente é dominada pela raiva, as chances são de que tomaremos a decisão errada. Ninguém quer tomar uma decisão errada, mas, naquele momento, a parte de nossa inteligência e cérebro que funciona para diferenciar o certo do errado e tomar a melhor decisão funciona muito mal. Até mesmo grandes líderes passam por isso.

Compaixão e afeição ajudam o cérebro a funcionar melhor. De forma secundária, a compaixão nos dá força interior, nos dá autoconfiança. E isso reduz o medo, o que, por sua vez, mantém a mente calma.

Portanto, a compaixão tem duas funções: faz com que nosso cérebro funcione melhor e traz força interior. Estas, então, são as causas da felicidade. Eu sinto que é assim.

Felicidade e satisfação vêm de dentro

Outras faculdades também são boas para a felicidade. Todo mundo gosta de dinheiro, por exemplo. Se tivermos dinheiro, poderemos desfrutar de boas acomodações. Geralmente, consideramos essas as coisas mais importantes, mas acho que não é assim. O conforto material pode vir através do esforço físico, mas o conforto mental tem que vir através do esforço mental. Se formos a uma loja e oferecermos dinheiro ao vendedor dizendo que queremos comprar paz de espírito, ele dirá que não tem nada para vender. Muitos vendedores vão achar que isso é loucura e vão rir de nós. Algumas injeções ou pílulas podem trazer felicidade ou calma temporária, mas não de forma completa. Podemos ver, com o exemplo do aconselhamento, que precisamos lidar com as emoções através da discussão e raciocínio. Assim, devemos usar uma abordagem mental.

Nós, as pessoas modernas, pensamos muito em desenvolvimento externo. Prestar atenção apenas a esse nível não é suficiente. Felicidade e satisfação genuínas devem vir de dentro.

Os elementos básicos para isso são compaixão e afeição humana, e elas vêm da biologia. Como uma criança, nossa sobrevivência depende apenas do afeto. Se houver afeição, nos sentimos seguros. Se não houver, sentimos ansiedade e insegurança. Se nos separarmos de nossa mãe, choramos. Se estivermos nos braços de nossa mãe, que nos segura de maneira firme e calorosa, então nos sentiremos felizes e ficaremos quietos.

Então, a semente da compaixão e do afeto não é algo que vem da religião: ela vem da biologia. Cada um de nós veio do útero de nossa mãe e cada um de nós sobreviveu devido ao cuidado e carinho de nossa mãe. Então já estamos equipados com a semente da compaixão. Essas são as causas da felicidade.

 

Dalai Lama

 

texto na íntegra (em inglês) – https://www.dalailama.com/messages/compassion-and-human-values/compassion-as-the-source-of-happiness

pós-edição – Bella Cardoso de Carvalho

Anúncios


Categorias:Sabedoria

Tags:, , , , , , , , ,

1 resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: