Trago lírios brancos

Um breve relato sobre a origem da Páscoa

Após o período de vigília, como era costume na época, três mulheres – Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago – se encaminharam ao túmulo de Jesus para ungi-lo com óleos aromáticos. Ali chegando, viram que a pedra que lacrara a sepultura tinha sido removida. Nesse instante, Maria avistou dois anjos e Jesus, que ela não reconheceu de imediato. Jesus pediu a ela que contasse aos discípulos que ele iria ascender ao Pai, o que ela se apressou em fazer.(*)

A origem da Páscoa cristã é decorrência da Páscoa judaica, o Pessach – o Êxodo relatado no Antigo Testamento, quando os judeus fizeram sua passagem para a liberdade. A Páscoa cristã também traz a referência à passagem de Cristo para o mundo espiritual, e a libertação dos sofrimentos. Jesus ressignificou a ceia de Páscoa judaica quando preparou seus seguidores para o que lhe ocorreria durante a Última Ceia. Ao criar a Eucaristia, ele atrelou a simbologia do pedaço de pão e da taça de vinho ao seu corpo, que seria sacrificado, e ao seu sangue, que seria derramado.

No período entre a crucificação e a ressurreição, conforme os relatos dos apóstolos: «Assim também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para nos levar a Deus, sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no Espírito, no qual também foi pregar aos espíritos em prisão.» (I Pedro 3:18-20). Esta passagem forma a base teológica que sustenta a frase “Ele desceu ao inferno”, que consta no Credo dos Apóstolos e deu origem à tradição da Descida de Cristo ao Inferno.

Essa descida ao “Hades”, ao “inferno”, metafisicamente significa a descida que devemos realizar ao nosso mais sombrio inconsciente, para ali enfrentarmos os demônios de nossos vícios e imperfeições. Assim poderemos iluminar nossa consciência, dissolvendo as antigas e falhas programações, cristalizadas em hábitos nocivos que nos afastam de nossos verdadeiros propósitos.

Os lírios se vestem do mais alvo manto, retratando o branco da purificação

Celebramos, no dia de hoje, a vida, o renascimento. Carreguemos os brancos lírios da purificação, para trás deixemos os espinhos do sofrimento, superando as aparências e nos entregando firmemente ao amor. Dessa forma, alcançaremos  a mudança na consciência, desvelando o mundo de sombras do inconsciente que nos submeteu aos descaminhos e nos afastou de nossa real identidade.

Em uma semana que se iniciou com os ramos da aceitação da mensagem verdadeira de Cristo e se finda com os lírios que retratam o branco da purificação e a divindade do Filho de Deus, não podemos deixar que nenhuma manifestação sombria da crucificação interfira na caminhada até o propósito da aceitação da verdade.

Páscoa é paz, não dor. O Cristo redivivo significa o perdão do Filho de Deus, a remissão dos que compreendem que seguindo os passos do Mestre transcenderemos nossa ignorância inconsciente para nos unirmos à essência de que somos feitos.

Uma boa, linda e feliz Páscoa.

Que o amor possa renascer em nosso ser e brilhar alto.

 

José Batista de Carvalho

 

(*)https://pt.wikipedia.org/wiki/Ressurrei%C3%A7%C3%A3o_de_Jesus#%22Morte%22_de_Jesus_durante_os_tr%C3%AAs_dias

Anúncios


Categorias:Reflexão

Tags:, , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: