A felicidade pode ser considerada uma meta de vida?

Muitas pessoas vêem a felicidade como uma meta a ser alcançada, como um objetivo de vida.

BBC Future tem uma extensa reportagem de David Robson sobre estudos que têm sido realizados para desvendar alguns aspectos relacionados ao atingimento de um dos mais desejados objetivos do ser humano: a felicidade.

A primeira parte da matéria, discorre sobre os estudos de Iris Mauss, da Universidade da Califórnia, que foi uma das primeiras psicólogas a realizar pesquisas para explorar esse assunto e obter considerações resultantes de um estudo científico.

De modo geral, as pesquisas realizadas apontam que quanto maior é a preocupação e o esforço empenhado para conseguir alcançar a felicidade, mais ela se afasta de nós, uma vez que esse tipo de atitude torna menores as possibilidades de concretizar nosso desejo.

A inspiração para realizar esse projeto surgiu da observação de Mauss sobre os inúmeros livros de autoajuda publicados nos últimos vinte anos, que tinham um ponto em comum: a felicidade como condição indispensável da vida. “Onde quer que você olhe, você vê livros sobre como a felicidade é boa para você e como basicamente você deveria se tornar mais feliz, quase como um dever”, diz Mauss.


Você pode gostar de ler: Afinal, felicidade se compra?


A fixação com a ideia de ser feliz pode ser prejudicial ao bem-estar

A objetificação da felicidade como um título a ser conquistado e mantido pode até funcionar para algumas pessoas, por um determinado tempo, mas geralmente acabam gerando sentimentos de estresse, solidão e fracasso pessoal. Segundo Mauss, quando se estabelecem padrões muitos altos para a felicidade, querendo que a felicidade seja algo intenso e duradouro, “pode fazer as pessoas se sentirem desapontadas consigo mesmas, o que poderia ter efeitos autodestrutivos. ”

Através de questionários e  da aplicação de outras técnicas durante o estudo, a equipe de Mauss chegou à conclusão que quanto mais os participantes se importavam com a necessidade de ser feliz, menos contentes eles estavam com sua vida atual, por ter uma maior expectativa sobre como eles “deveriam” estar se sentindo. Ao final de vários experimentos, quando percebiam que seus sentimentos reais não conseguiam atingir o padrão que esperavam, se sentiam desapontados.

Isso explica porque muitas vezes as pessoas não conseguem sentir a satisfação esperada, por exemplo, numa  cara e tão sonhada viagem, ou numa grande festa muito planejada: a expectativa, a necessidade de aproveitar ao máximo cada minuto tiram o prazer e a espontaneidade do evento, que acaba não sendo tão positivo quanto se esperava.

A felicidade é uma escolha interna e pessoal

Se a felicidade é vista como um objetivo obrigatoriamente a ser atingido através de muito esforço, não só para alcançá-la, mas também para mantê-la, ela perde a naturalidade e o seu princípio básico que é, basicamente, a existência espontânea através de uma manifestação que vem de dentro para fora, e não ao contrário.

De acordo com o pensamento de Yogananda, “A felicidade depende em certa medida das condições externas, mas principalmente das atitudes mentais. Se você não escolhe ser feliz, ninguém pode te fazer feliz. Não culpe a Deus por isso! E se você escolher ser feliz, ninguém poderá deixá-lo infeliz. Se Ele não tivesse nos dado liberdade para usar nossa própria vontade, poderíamos culpá-lo quando estamos infelizes, mas Ele nos deu essa liberdade. Somos nós que fazemos da vida o que é.”

Felicidade não é um objeto que pode ser adquirido

A felicidade não é um objeto a ser adquirido. É um sentimento a ser cultivado. E da mesma forma que tudo que se cultiva externamente a nós, ela não pode ser comprada nem imposta. Claro que você pode comprar uma planta, mas vai precisar cuidar dela para que dê flores ou frutos. Assim como é preciso cuidar com espontaneidade de uma amizade, um amor, um bichinho de estimação. A felicidade nasce, se alimenta e se desenvolve por ações de cuidados, dedicação, ternura, compreensão, em relação a tudo e todos que nos cercam, e sobretudo em relação a nós mesmos.


Pode lhe interessar também: Nossas várias tentativas de encontrar a verdadeira felicidade


 

Noemi C. Carvalho

 

com informações de BBC Future e Yogananda

 

 


LêAqui: a mensagem certa na hora certa


 

Anúncios


Categorias:Emoções

Tags:, , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: