Expressar nossos sentimentos é importante para a autoestima

Nossos sentimentos muitas vezes são incompreendidos, não só pelos outros, mas por nós mesmos.

Somos diferentes em nosso corpo físico: formato do rosto, cor e tipo de cabelo, altura, cor de pele, constituição óssea. Da mesma forma, somos diferentes na forma de sentir. As mesmas experiências adquirem significado diferentes; a importância dada a alguma coisa tem graus diversos para cada um; sentimentos de um podem parecer bobagem para outros.

A compreensão da vida tem matizes únicos na aquarela com que cada um expressa seus sonhos e seus temores. O reconhecimento e a aceitação dessa diversidade é fundamental para melhorar a autoestima, o bem-estar, a realização pessoal.

É disso que trata o texto de George, do CVV  – Blumenau (SC). Leia a seguir.

AS NECESSIDADES DE CADA UM

Todos nós possuímos uma série de necessidades que motivam as nossas ações e a maneira como nos sentimos conforme elas sejam atendidas ou não. O psicólogo americano Abraham Maslow mapeou as necessidades básicas do ser humano em uma pirâmide hierárquica que atribui um grau de importância a cada uma delas. Segundo ele, as fisiológicas são as iniciais, enquanto as de realização pessoal são as necessidades finais.

Em sua teoria sobre a Comunicação Não-Violenta, Marshall Rosenberg afirma que os “nossos sentimentos resultam de como escolhemos receber o que os outros dizem e fazem, bem como de nossas necessidades e expectativas específicas naquele momento”. A prova disso é que um mesmo fato, visto de forma isolada e sem julgamentos, pode gerar diferentes reações de acordo com as necessidades de cada um.

Usemos um abraço como exemplo: alguém pode se sentir invadido e desrespeitado, enquanto outro pode se perceber amado ao tomá-lo como um gesto de carinho. O ato de abraçar não mudou.

Mudou, sim, a necessidade de cada um e o sentimento gerado a partir de uma mesma ação. No primeiro caso, há uma necessidade de preservação do espaço pessoal  que pode gerar o sentimento de irritação e desconforto; no segundo, a necessidade de carinho e atenção que traz o  sentimento de felicidade e plenitude ao ser abraçado.

Ao perceber isso, ganhamos consciência de que somos responsáveis pelos nossos próprios sentimentos e nos empoderamos deles. Quando assumimos essa responsabilidade, entendemos que o  que os outros dizem e fazem pode ser o estímulo, mas nunca a causa do que sentimos.

A questão é que, na maioria das vezes, não sabemos lidar com os nossos próprios sentimentos. Pior: não conseguimos identificar quais as necessidades – atendidas ou não – que nos levaram a sentir o que sentimos. Numa sociedade em que, frequentemente, somos julgados por identificarmos e revelarmos as nossas necessidades, também não fomos educados para expressar o que sentimos.

Fazer isso pode ser muito assustador. No entanto, Rosenberg acredita que, ao expressarmos as nossas necessidades, temos mais chance de satisfazê-las. Por outro lado, se não as valorizamos, os outros também podem não fazê-lo.

No CVV, valorizamos as necessidades de cada um e estamos dispostos a acolher e ouvir os sentimentos de todos. Para conversar, acesse cvv.org.br ou ligue para 188.

Expressar o que sentimos pode ser confuso e, por vezes, até difícil. Mas é o caminho para ajudar a identificar quais são as nossas necessidades que ainda precisam ser atendidas.

 

George – CVV Blumenau (SC)

 

***Precisando conversar ligue 188, 24 horas todos os dias ou acesse CVV

 

reprodução de publicação do Centro de Valorização da vida – CVV

 


Talvez lhe interesse ler:


 

Anúncios


Categorias:Emoções

Tags:, , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: