Quando o amor sai vem a escuridão

Qual é o oposto do amor?

A primeira palavra que vem à cabeça, geralmente, é “ódio”. Nos romances despedaçados da literatura e dos roteiros de cinema ou televisão, isto pode ser uma verdade. Até na vida real, quando alguém teve um desentendimento “daqueles” com outra pessoa, também ouvimos a frase “odeio ele! (ou ela!).”

Mas o amor pode ter um significado mais profundo, e seu oposto ganha outro nome. Um Curso Em Milagres, logo nas primeira páginas, lemos que “O oposto do amor é o medo”.

Osho diz que “se ama profundamente, você não sente medo. O medo é uma negatividade, uma ausência. Isso tem que ficar profundamente entendido. Caso contrário, você nunca vai entender a natureza do medo.”

Uma comparação para definir o medo.

Uma comparação feita por Osho pode trazer um pouco de luz para que se entenda a definição do medo.

“É como a escuridão. A escuridão não existe, ela só parece existir. Na verdade, ela é só ausência de luz. A luz existe; apague a luz e a escuridão aparece. A escuridão não existe, você não pode acabar com ela. Faça o que fizer, você não pode acabar com ela. Não pode trazê-la, não pode projetá-la.”

Dessa maneira podemos entender que o amor é real e verdadeiro, ele existe porque nós existimos como uma expressão do amor infinito da criação. O medo, por seu lado, não é inerente à nossa natureza, é adquirido e se alastra como uma sombra quando nos descuidamos do amor. O amor precisa ser cultivado e cuidado, como uma delicada flor que precisa de nossa atenção para viver e desabrochar. Por isso Osho adverte:

“Se quiser fazer alguma coisa com a escuridão, terá que fazer alguma coisa com a luz, pois só podemos estabelecer relação com algo que tenha existência própria. Apague a luz e a escuridão se fará presente; acenda a luz e a escuridão desaparecerá — mas você fará algo com a luz. Você não poderá fazer nada com a escuridão.

Medo é escuridão. É ausência de amor. Você não pode fazer nada com relação a ele, e quanto mais fizer mais amedrontado vai ficar, pois mais você achará impossível. O problema vai ficando cada vez mais complicado. Quanto mais você brigar com a escuridão, mais sairá derrotado. Você não pode empunhar uma espada e matar a escuridão: isso só servirá para deixá-lo exausto. E finalmente a mente pensará, “A escuridão é muito poderosa, por isso me derrotou”.

Lutar contra o medo é uma luta inglória.

Como é a luta contra o medo e nossos outros sentimentos de negatividade, que armas usamos para derrotá-los? O pensamento. Pensamos que não queremos sentir medo, que não queremos sentir vergonha, que não queremos sentir isto ou aquilo.

E o que acontece? Quanto mais pensamos mais reforçamos essas emoções negativas, porque pensar nelas não as dissolve, ao contrário, é seu alimento e o que lhes aumenta a força. De acordo com a Lei da Atração, nosso sentimentos mais evidentes é que atraem outros semelhantes atraindo situações que vão ocasionar esses sentimentos.

E claro, nos sentimos cada vez piores e incompetentes para lidar com tudo que acontece à nossa volta. Fica um verdadeiro beco sem saída, não é mesmo?

Não dê a vitória à escuridão da vida.

Vamos ver o que Osho diz quando nos empenhamos nessa luta inglória que tentamos travar contra o medo e seus comparsas:

“É aí que a lógica falha. É absolutamente lógico — se você luta contra a escuridão e não consegue vencê-la, não consegue destruí-la, é absolutamente lógico pensar que a escuridão é muito, muito poderosa. Você é impotente diante dela. Mas a realidade é justamente o oposto. Você não é impotente; a escuridão é impotente. Na verdade, a escuridão não está ali, é por isso que você não pode derrotá-la. Como você pode derrotar alguma coisa que não existe? Não lute contra o medo; do contrário, você ficará cada vez mais amedrontado e um novo medo invadirá seu ser: o medo do medo, que é muito perigoso.”

Quando chegamos a esse ponto, a criatividade se vai, o ânimo desaparece, a disposição some. Em seu lugar entram o desânimo, a contrariedade, a aflição. E não podemos deixar que isso aumente, que se aposse de cada minuto em cada um de nossos dias. Temos que cortar esses males como ervas daninhas que surgiram nos vastos campos da nossa existência, evitando que elas se multipliquem e alastrem.

Como conseguir a vitória sobre a escuridão.

“O medo nada mais é que ausência de amor. Faça algo com amor, esqueça o medo. Se você ama bastante, o medo desaparece. Se ama profundamente, você não sente medo. É como se a luz simplesmente estivesse acesa e a escuridão desaparece — eis a chave secreta: ame mais. Se você sente que existe medo em seu ser, ame mais. Seja corajoso ao amar, tenha coragem. Seja aventureiro no amor, ame mais e ame incondicionalmente, porque quanto mais você ama menos medo sente.”, é a conclusão a que chega Osho, extirpar a ervas daninhas do medo pelo cultivo do amor.

Vamos também expandir um pouco esse conceito do amor. Antes que alguém pense “mas como vou fazer isso, se ainda não encontrei o par perfeito para minha vida?”

Este amor não é o amor-paixão, o amor-romance. Mas certamente vai ajudar a trazê-lo para perto, ao tirar o sentimento de falta, de ausência, de medo por nunca encontrar alguém para ser seu par.

É o sentimento muito maior do que uma relação individual: é o amor pelas criaturas, o amor pelo Criador, o amor pela vida, o amor por nós mesmos.

 

Noemi C. Carvalho

 

 


LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

Também nas redes sociais: PinterestFacebook – Instagram – Twitter


 



Categorias:Emoções

Tags:, , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: