Home / Especial Coronavírus / A crescente preocupação com a saúde mental na pandemia

A crescente preocupação com a saúde mental na pandemia

rapaz debruçado em uma janela saúde mental pandemia

Serviços de saúde mental devem ser parte essencial de respostas ao coronavírus.

“A saúde mental está no centro da nossa humanidade, nos permitindo ter vidas enriquecedoras e gratificantes e participar nas nossas comunidades. No entanto, a pandemia da COVID-19 não está apenas atacando nossa saúde física; também está aumentando o sofrimento psicológico”, é a avaliação é do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

“Luta pela perda de entes queridos. Choque com a perda de empregos. Isolamento e restrições à circulação. Dinâmicas familiares difíceis. Incerteza e medo do futuro. Problemas de saúde mental, incluindo depressão e ansiedade, são algumas das maiores causas de miséria no nosso mundo”, afirmou Guterres.

A covid-19 não está apenas atacando nossa saúde física: também está aumentando o sofrimento psicológico.
António Guterres

Existem grupos em maior risco de abalo na saúde mental e eles devem ser apoiados.

“Os que estão em maior risco são os profissionais de saúde que estão na linha da frente, idosos, adolescentes e jovens, aqueles com condições de saúde mental preexistentes e os que vivem em situações de conflito e de crise.

Devemos ajudá-los e apoiá-los. Pois mesmo quando a pandemia está sob controle, a dor, a ansiedade e a depressão continuam a afetar as pessoas e as comunidades”, disse o secretário-geral, ao lançar o documento que trata das políticas públicas na área.

“A saúde mental está no centro da nossa humanidade, nos permitindo ter vidas enriquecedoras e gratificantes e participar nas nossas comunidades.”
António Guterres

“Os serviços de saúde mental são uma parte essencial de todas as respostas do governo à COVID-19. Eles devem ser expandidos e totalmente financiados”, acrescentou o secretário-geral da ONU, António Guterres.

Enfrentando as consequências da saúde mental da pandemia de coronavírus.

Em artigo publicado pela OMS, o Dr. Konstantinos Petsanis, neurologista de origem grega, especialista em distúrbios cognitivos gerais e demência, que trabalha atualmente na Suíça, afirma que, quando se trata de vida pós-pandemia, o que mais o preocupa é a saúde mental.

“As repercussões na saúde mental em relação ao que está acontecendo durante esta pandemia para as pessoas, hoje e no futuro, serão de fato um problema generalizado”, diz Petsanis.

“Em geral, o comportamento de estresse para muitas pessoas traz grandes problemas”, e ele vê sinais de alerta de saúde mental em toda a população.

É preciso agir agora para evitar graves consequências no futuro.

Apesar do declínio da carga de casos, o Dr. Petsanis alerta que os profissionais de saúde nas linhas de frente enfrentam seu próprio conjunto de estressores únicos.

“Se temos que lidar com pessoas em pânico, precisamos ser bem apoiados. Nisso, o estresse é, obviamente, dobrado. Lidamos com pessoas acometidas pelo coronavírus, mas precisamos manter a calma, seguir os critérios e regras e, além disso, não passar nosso estresse para o paciente”, afirmou.

“As repercussões na saúde mental em relação ao que está acontecendo durante esta pandemia para as pessoas, hoje e no futuro, serão realmente um problema generalizado.”
Dr. Konstantinos Petsanis

Os países estão agora enfrentando uma ameaça adicional – um longo período de instabilidade econômica. O Dr. Petsanis afirmou que “A menos que ajamos agora para atender às necessidades de saúde mental associadas à pandemia, haverá enormes consequências a longo prazo para famílias, comunidades e sociedades.”

O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante.

O comunicado de imprensa da OMS alerta para o fato de que a pandemia do COVID-19 está destacando a necessidade de aumentar urgentemente o investimento em serviços de saúde mental ou arriscar um aumento maciço das condições de saúde mental nos próximos meses, de acordo com um resumo de políticas sobre o COVID-19 e a saúde mental emitido hoje pelas Nações Unidas. 

“O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante”, disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde. “O isolamento social, o medo de contágio e a perda de membros da família são agravados como resultado do sofrimento causado pela perda de renda e, muitas vezes, pelo emprego”.

Depressão e ansiedade estão aumentando.

Os relatórios já indicam um aumento nos sintomas de depressão e ansiedade em vários países. Um estudo realizado na Etiópia, em abril de 2020, relatou um aumento de três vezes na prevalência de sintomas de depressão em comparação com as estimativas antes da epidemia. 

Grupos populacionais específicos correm um risco particular de sofrimento psicológico relacionado ao COVID-19. Os profissionais de saúde da linha de frente, confrontados com cargas de trabalho pesadas, decisões de vida ou morte e risco de infecção, são particularmente afetados. Durante a pandemia, na China, os profissionais de saúde relataram altas taxas de depressão (50%), ansiedade (45%) e insônia (34%) e, no Canadá, 47% dos profissionais de saúde relataram a necessidade de suporte psicológico.

“Uma falha em levar o bem-estar emocional das pessoas a sério levará a custos sociais e econômicos a longo prazo para a sociedade.”
Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus

Crianças e adolescentes também estão em risco. Pais na Itália e na Espanha relataram que seus filhos tiveram dificuldades em se concentrar, além de irritabilidade, inquietação e nervosismo. Além disso, as medidas para ficar em casa têm um risco aumentado de as crianças testemunharem ou sofrerem violência e abuso. Crianças com deficiência, crianças em ambientes lotados e aquelas que vivem e trabalham nas ruas são particularmente vulneráveis. 

Outros grupos que correm um risco particular são as mulheres, acima de tudo aquelas que estão fazendo malabarismos com a educação em casa, trabalhando em tarefas domésticas e domésticas, idosos e pessoas com condições de saúde mental pré-existentes. Um estudo realizado com jovens com histórico de necessidades de saúde mental residentes no Reino Unido relata que 32% deles concordaram que a pandemia havia piorado sua saúde mental.

Um aumento no consumo de álcool é outra área de preocupação dos especialistas em saúde mental. Estatísticas do Canadá, por exemplo, relatam que 20% das pessoas de 15 a 49 anos aumentaram seu consumo de álcool durante a pandemia.

Os agravos pelos serviços de saúde mental interrompidos.

O aumento de pessoas que precisam de cuidados de saúde mental ou apoio psicossocial foi agravado pela interrupção dos serviços de saúde física e mental em muitos países. Além da conversão de instalações de saúde mental em instalações de atendimento a pessoas com COVID-19, os sistemas de assistência foram afetados pela equipe de saúde mental infectada pelo vírus e pelo fechamento dos serviços presenciais. Serviços comunitários, como grupos de auto-ajuda para dependência de álcool e drogas, em muitos países não conseguem se reunir há vários meses. 

“Agora está claro que as necessidades de saúde mental devem ser tratadas como um elemento central de nossa resposta e recuperação da pandemia do COVID-19”, disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Essa é uma responsabilidade coletiva dos governos e da sociedade civil, com o apoio de todo o Sistema das Nações Unidas. Uma falha em levar o bem-estar emocional das pessoas a sério levará a custos sociais e econômicos a longo prazo para a sociedade.”

com informações de Organização Mundial de Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas (ONU)

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 10.321 outros assinantes

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: