Home / Especiais / Datas Especiais / A integração com o Pai Divino se manifesta na fraternidade entre os seres

A integração com o Pai Divino se manifesta na fraternidade entre os seres

“Eu e o Pai somos um. O Pai está em mim e eu estou no Pai.”

Em palestra proferida em 1965, Huberto Rohden faz uma profunda explanação sobre a paternidade divina, o conhecimento, reconhecimento e integração com o Pai Celestial, o Pai Divino. Vamos acompanhar alguns trechos:

“A voz do silêncio nos fala: o ruído é dos homens, o silêncio é de Deus.

Quanto mais silencioso o homem se torna, mais se aproxima de Deus; e o silêncio absoluto que parece ser ausência e vacuidade é presença, é plenitude. É a fonte das grandes revelações, das inefáveis inspirações. É nas profundezas do silêncio dinâmico que o homem descobre a verdade. A verdade libertadora sobre si mesmo, sobre Deus, sobre o universo.

Neste momento solene e sagrado, vamos submergir no oceano do grande silêncio, não do inconsciente, mas do pleniconsciente.

E no silêncio interior, depois de fecharmos as portas a todos os ruídos do ego físico, mental e emocional, a todos os sentimentos, pensamentos e desejos, abramos, de par em par, as portas da consciência espiritual, entremos agora no terceiro céu, no vasto nirvana da realidade suprema.

Eclipsou-se o mundo objetivo das aparências efêmeras, despertou o mundo subjetivo da verdade eterna. Para além de tempo e espaço, entra o homem no eterno e no infinito. E ali percebe, ditos indizíveis, algo que lábios humanos não podem dizer, que nem o pensamento pode analisar, os ditos indizíveis da verdade libertadora.

O encontro inesquecível com o Pai Divino.

E a alma começa o seu misterioso monólogo com o infinito, o eterno. O monólogo passa a ser diálogo, porque a alma sente a presença de alguém, a onipresença da Divindade, a imanência do infinito em todos os finitos, o espírito do Deus do mundo que habita em todos os mundos de Deus.

O vasto deserto do silêncio se transforma num oásis transbordante de vida, beleza e beatitude. E a alma habita feliz neste Éden, e sabe por intuição imediata o que pensamento algum lhe poderia revelar através dos meandros das análises intelectuais. O homem sabe, finalmente, por intuição imediata e direta, o que é Deus, sabe o que é ele mesmo, sabe o que é o universo.

E este saber experiencial é beatitude, é vida eterna, é imortalidade. E quando o homem regressa desse longínquo nirvana da verdade para o iminente despertar nas aparências de cada dia, leva ele consigo um reflexo dessa luz, um eco dessa voz, uma vibração dessa força que ele viveu nas profundezas do paraíso interior.

E em contato com o infinito, com o eterno, volta a tomar contato com todos os finitos e temporários; e a sua vida diária se transforma aos poucos pela leveza e luminosidade desses mundos que ele contemplou, no grande além de fora que é também o seu grande além de dentro.

E ele diz a si mesmo: “Eu e o Pai somos um. O Pai está em mim e eu estou no Pai. O infinito vive em mim e eu vivo no infinito. No meu íntimo ser, eu sou o que Deus é, por isso no meu externo agir, quero também agir assim como Deus age.”

Finalmente ele descobriu o que quer dizer “o reino dos céus está dentro de vós.”

E a experiência dessa paternidade única de Deus se manifesta na vivência da fraternidade universal dos homens.”

Huberto Rohden

Huberto Rohden

Huberto Rohden foi filósofo, educador e teólogo brasileiro. Nasceu em São Ludgero, município de Santa Catarina, em 1893, e morreu em São Paulo, em 1981.

Padre jesuíta, graduou-se em ciências, filosofia e teologia pelas Universidades da Áustria, Holanda e Itália, tendo lecionado em Universidades dos Estados Unidos (em Princeton e Washington, D.C), e na Universidade Mackenzie, em São Paulo..

Escreveu mais de cem obras, discorrendo sobre temas como autoconhecimento e florescimento da essência divina do indivíduo, através da análise comparada de filosofias espiritualistas do Ocidente e Oriente.

Foi o  tradutor do Novo Testamento (livros que compõem a segunda parte da Bíblia cristã), da Bhagavad Gita (uma das principais escrituras sagradas da cultura da Índia ) e do Tao Te Ching (uma das mais conhecidas e importantes obras da literatura da China).

A mensagem central de sua obra é tornar o homem consciente de sua condição de ser inteligente, espiritual e integral rumo à sua evolução através da reforma interior, para encontrar a paz e a felicidade conscientizando-se de seu eu-crístico ou eu-cósmico.

com informações de Wikipedia

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Veja também

ilustração de nossa senhora segurando menino Jesus no colo para ilustrar Dia Mães Santa Maria

Neste Dia das Mães, lembremos de Nossa Santa Mãe Maria

No Dia das Mães, vamos elevar nosso pensamento e nossos corações a Santa Maria, pedindo suas bênçãos e proteção neste difícil período da pandemia.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: