Home / Autoconhecimento / A relação entre compaixão e felicidade, explicada por Dalai Lama

A relação entre compaixão e felicidade, explicada por Dalai Lama

várias mãos femininas formando um coração compaixão e felicidade

A prática da compaixão gera felicidade.

As palavras de Dalai Lama são sempre reconfortantes e valiosos ensinamentos para nos orientar em nosso progresso espiritual. Leia abaixo alguns dos principais tópicos da cerimônia para o empoderamento de Avalokiteshvara¹, realizada em 29 e 30/05/2020 por webcast, devido à pandemia do coronavírus, onde Sua Santidade fala sobre a compaixão e a felicidade.

“Avalokiteshvara é a personificação da compaixão. Se você ora a ele e se cultiva a prática compassiva com o pensamento dirigido a ele, isso o ajudará a aumentar sua compaixão. Dizem que os bodhisattvas² se concentram na iluminação com sabedoria e nos seres sencientes³ com compaixão.

Entre os sete bilhões de seres humanos, nenhum procura sofrimento: todos nós buscamos a felicidade. E, no entanto, se assistimos notícias na televisão, vemos relatos de discriminação racial e de pessoas que parecem ter prazer em matar.

Os cientistas declaram que é da natureza humana ter compaixão, mas até os insetos dependem da compaixão para sobreviver. Todos os seres vivos que experimentam sentimentos de prazer e dor, em última análise, sobrevivem como resultado de amor e compaixão.

Se nós seres humanos nos ajudarmos, servirmos uns aos outros, com compaixão, seremos felizes. Se, por outro lado, nos deixarmos levar pela raiva e pelo ciúme, ficaremos infelizes.”

A mente disciplinada e o coração amoroso.

Sua Santidade reafirmou seu compromisso em ajudar os seres humanos a serem felizes. Ele reiterou que, se você tiver um coração caloroso, será feliz, mas se estiver sempre irritado e com ciúmes, não o terá. É por isso que ele encoraja as pessoas a cultivar amor, compaixão e bodhichitta². O amor e a compaixão, disse ele, são benéficos para todos os seres sencientes.

Ele ressaltou que, como resultado do desenvolvimento material e da educação moderna, as pessoas geralmente buscam a felicidade em coisas externas, mas negligenciam suas mentes.

A verdadeira felicidade duradoura depende de domesticar nossas mentes indisciplinadas. Não se trata tanto de desenvolvimento intelectual como de cultivar um coração amoroso. Quando os seres humanos têm um coração caloroso, ajudam os outros e a si mesmos.

O sentido do ‘eu’ e da felicidade.

“No que diz respeito ao ‘eu’ ou o senso de si mesmo, o Buda tem um senso de ‘eu’, mas não da forma como os seres comuns pensam. Para aqueles que têm uma experiência de vazio, tanto os bodhisattvas quanto o Buda, o ‘eu’ é uma mera designação. Os seres comuns interpretam mal o ‘eu’ como algo sólido. Se fosse, quanto mais você procurasse, mais claro se tornaria, enquanto, de fato, quanto mais você procura, mais difícil é encontrar. O ‘eu’ não existe como parece para nós.

Todos os que sofrem no mundo fazem isso por causa do desejo de ter sua própria felicidade. Todos os que são felizes no mundo são assim por causa de seu desejo de felicidade para os outros.

Para aqueles que falham em trocar sua própria felicidade pelo sofrimento dos outros, o estado de Buda é certamente impossível: como poderia haver felicidade na existência cíclica?    

Como a maioria de nós é motivada por motivos egoístas, até o pensamento da bodhichitta tem um efeito calmante e repousante; é a fonte de toda felicidade e alegria.”

A sabedoria mostra a relatividade da existência.

“A sabedoria envolve duas verdades: convencional e suprema. As coisas aparecem para nós, mas elas não existem como aparecem. A física quântica observa algo semelhante: nada tem existência objetiva.

As coisas existem em relação a outros fatores. Até você examiná-las, as coisas parecem ter existência objetiva, mas quando você as analisa, elas não podem ser encontradas. Elas existem convencionalmente como meras designações. ‘Nós’ e ‘eles’, ‘você’ e ‘eu’ existem como designações, mas não de forma independente como aparecem.”

Compaixão e felicidade, a prática da sabedoria.

Dalai Lama concluiu a cerimônia declarando que havia tomado uma determinação especial de dedicar quaisquer bênçãos que surgissem dos dois dias de ensino a todos no planeta, humanos e outros tipos de seres.

Ele observou que os ensinamentos do Buda consistem em transmissão e realização das escrituras derivadas da experiência. Como Vasubandhu afirmou, a única maneira de preservar o dharma é através do estudo e da prática, o que implica ouvir ou ler o ensino, refletir sobre o que você entendeu e familiarizar-se com essa convicção através da meditação.

“Meditei muito nos ensinamentos do Buda e compartilhei o que aprendi com você. Você deve fazer o mesmo, compartilhar o que entendeu com sua família e amigos e incentivá-los a fazer o mesmo.

Por causa da pandemia de coronavírus, não podemos nos reunir, mas conseguimos criar uma reunião virtual e concluir o discurso. Por favor, cuidem-se.”

textos na íntegra em:
Preliminares para um Empoderamento de Avalokiteshvara
Webcast de um Empoderamento de Avalokiteshvara

1 – Avalokiteshvara (“aquele que enxerga os clamores do mundo”) é o/a bodhisattva que representa a suprema compaixão de todos os Budas. Sendo a compaixão uma virtude central do budismo, Avalokiteshvara tornou-se muito conhecido por budistas e não budistas, sendo comum encontrar inscrições com seu mantra, Om mani padme hum.
2 – Um bodhisattva é um ser iluminado, qualquer pessoa que, movida por grande compaixão, gerou bodhicitta, que é o desejo espontâneo de atingir o mesmo status de Buda para o benefício de todos os seres sencientes.
3 – Senciência é a capacidade dos seres de sentir sensações e sentimentos de forma consciente. Em outras palavras: é a capacidade de ter percepções conscientes do que lhe acontece e do que o rodeia.

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 10.322 outros assinantes

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Veja também

espírito de um homem caminhando numa linha de trem suicídio espiritismo

E depois do suicídio? O espiritismo explica o que acontece.

O espiritismo explica o que acontece no plano espiritual com quem tira a vida através do suicídio, pois o corpo morre mas a vida continua.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: