Home / Espiritualidade / As duas vidas de São Francisco de Assis

As duas vidas de São Francisco de Assis

pintura de Giotto di Bondone-Basílica de São Francisco de Assis vidas São Francisco
São Francisco fala ao pássaros – Giotto di Bondone-Basílica de São Francisco de Assis-Wikipedia

As duas vidas vividas na Terra, dedicadas a Jesus.

O Santo de Assis, um dos mais amorosos divulgadores da palavra de Jesus, teve uma existência anterior também dedicada a transmitir os ensinamentos do Evangelho. Podemos, então, dizer que as duas vidas de São Francisco foram missões apostolares, num abnegado serviço prestado não só ao Cristo, mas a toda a humanidade.

Francisco nasceu no ano de 1182, na cidade de Assis, na Itália. Sua vida foi breve, e aos 44 anos voltou ao plano espiritual. Mas deixou sua luz brilhando sobre o mundo para iluminar os caminhos para uma vida de alegria, de simplicidade e de amor ao Criador e a todas as suas criaturas.

Muito tempo antes, ao tempo de Jesus, São Francisco de Assis havia sido discípulo do Mestre: o apóstolo João Evangelista.

João nasceu no ano 9, e foi o último sobrevivente dos 12 apóstolos de Jesus, morrendo aos 94 anos de idade, no ano 103. Ele foi um dos maiores divulgadores do Evangelho, amado por todos que o conheciam por sua bondade, por sua humildade, por suas palavras sempre plenas de amor e de esperança.

O amor à natureza e aos animais, um traço em comum aos dois santos missionários.

Uma das características em comum na vida dos dois santos, João Evangelista e Francisco de Assis, foi o amor e a dedicação à natureza e a todos os animais.

Durante o exílio na ilha de Patmos, o apóstolo João se dedicou ao conhecimento e à integração com a natureza. Ele dormia a céu aberto, pedia ao vento que levasse as suas palavras aonde ele não podia ir, sentia a vida que existia nas árvores e até mesmo nas pedras.

Além disso, conversava com os peixes e com as aves sobre a vida de Cristo. E os animais ficavam ao seu redor como que ouvindo os seus ensinamentos, certamente recebendo as vibrações amorosas do bondoso amigo.

São Francisco, por causa de seu amor a todas as criaturas, era também amado por todos os animais que se acercavam dele com confiança. Ele agradecia ao sol, à lua, ao vento, à água e ao fogo, por todos os seus benefícios.

Assim, por sua atitude humilde e amorosa com toda a natureza, ele é conhecido no mundo todo como o protetor dos animais.

João, depois do exílio, já foi Francisco.

Quando chegou a ordem do Império para libertar o apóstolo João e colocar fim ao seu exílio, os soldados romanos que eram responsáveis pela sua guarda já haviam se afeiçoado a ele, porque sempre tinha uma palavra de bondade, um ensinamento de amor, uma visão de esperança.

Assim, para proteger o abnegado amigo contra qualquer armadilha contra a sua vida, os soldados lhe deram uma velha farda. Além disso, sugeriram que, chegando à cidade de Éfeso, se apresentasse com o nome de Francisco, o que o apóstolo aceitou serenamente.

E foi assim que João Evangelista, em sua nova morada, pela sua idade já avançada, ficou conhecido na cidade como Pai Francisco.

O amor e a fé presentes nas duas vidas de São Francisco.

Depois de mais de mil anos da vinda do Cristo, que veio à Terra para que a humanidade aprendesse um novo modo de vida baseado no amor, no respeito, na humildade e na compaixão, o homem vivia em meio a guerras sanguinárias. As Cruzadas, ditas guerras santas, eram, de fato, fomentadas pela ambição, pelo ódio e pela vingança.

Entretanto, narra Miramez¹ “o mundo espiritual, sob a regência do Cristo, se movimentou em grande preparo, para que a Terra recebesse um dos Seus discípulos, aquele que na Ilha de Patmos selara o Evangelho, escriturando o último capítulo da Boa Nova – o Apocalipse.

João Evangelista renasceria na cidade de Assis, com uma corte de companheiros sobremodo grandiosa, para que se desse cumprimento à vontade do Senhor, pelo seu amor à humanidade.

E se chamaria Francisco, estrela de primeira grandeza, a deslocar-se dos céus do Cristo para o mundo terreno. Era o amor mais vivo de Jesus a beijar novamente o solo da Terra.”

Assim, João Evangelista, o apóstolo de Jesus, retornaria para novamente se consagrar à pacificação da Terra, à divulgação dos ensinamentos amorosos do Mestre, mostrando o Caminho, a Verdade e a Vida, exemplificado nas duas vidas de São Francisco.

Noemi C. Carvalho

1 – Miramez, no livro “Francisco de Assis”, psicografado por João Nunes Maia

Fernando Miramez de Olivídeo nasceu na Espanha. Em 1649 chegou ao Brasil e se dedicou a aliviar os sofrimentos físicos e espirituais dos indígenas e dos escravos com quem convivia.
Tornou-se guia espiritual de João Nunes Maia (1923 – 1991), com o qual se identificou numa reunião na União Espírita Mineira (UEM).

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

1 – Insira o seu e-mail e cadastre-se.

2 – Autorize sua inscrição no e-mail de confirmação que você vai receber.
* Lembre-se de olhar as caixas de spam e de promoções.

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

Também nas redes sociais:

Facebook

Instagram

Pinterest

Twitter

YouTube

[themoneytizer id=”61382-19″]

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossas publicações por

e-mail

 Insira o seu e-mail para se cadastrar.

Você vai receber primeiro um e-mail para autorizar a inscrição.

Lembre-se de olhar as caixas de spam e de promoções.

Um e-mail vai ser enviado para você autorizar a sua inscrição. Lembre de olhar a caixa de spam.

%d blogueiros gostam disto: