Home / Autoconhecimento / Causos e prosas de Chico Xavier: a cachorra Boneca

Causos e prosas de Chico Xavier: a cachorra Boneca

Chico Xavier, um grande amigo dos animais.

Este é um dos muitos causos e prosas de Chico Xavier, e conta a história da cachorra Boneca. Leia a seguir o texto de Maristela Boldrin e conheça mais um pouco do bom e velho Chico.

“Chico Xavier, como se sabe, era um grande amigo de nossos irmãozinhos animais. Afirmando que ‘os animais têm alma e valem pelos melhores amigos’, Chico nos dava, assim, prova da relação espiritual destes seres ao nosso redor e do quanto ainda desconhecemos a real função que eles têm na nossa evolução a nós, seres humanos, a responsabilidade que precisamos ter para contribuir para a evolução deles.

A história de Chico com a cachorrinha ‘Boneca’ vale a pena ser conhecida para nossa reflexão, ainda mais por aqueles que tiveram um destes amigos desencarnados recentemente.

A história de Chico e da cachorra Boneca.

Boneca era uma linda cadela da raça Fox que pertencia ao casal amigo de Chico, Weaker e Zilda Batista. Aos domingos, quando Chico ia almoçar na casa deles, situada defronte à sua própria, Boneca esperava com grande ansiedade pelo médium e fazia muita ‘festa’ quando ele chegava, saltando para os seus braços, assim que ele transpunha o portão de chegada. Abanando sem parar a pequena cauda amputada, Boneca não cabia em si de contente.

Segurando-a com as duas mãos, deixando que ela apoiasse as patas em seu peito, Chico conversava com ela dizendo assim: ‘Boneca, eu estou cheio de pulgas… olhe Boneca, quantas pulgas em mim… tire, Boneca, tire as pulgas de mim!…’

Durante 5 a 10 minutos, lá no corredor da casa, todos ficavam admirados com o carinho de Chico com Boneca, o qual depois lhe falava: ‘Agora nós vamos almoçar e você também… mas na semana que vem, eu pego mais pulgas para você catar!’

Parecendo entendê-lo, Boneca então pulava de seus braços e corria para a varanda, onde lhe seria servida a refeição. No entanto, a cachorrinha Boneca morreu velha e doente e Chico sentiu muito a sua partida.

Chico e a filhotinha, aprendiz da cachorra Boneca.

Em seguida, um casal de amigos que a tudo assistiu ofertou a Chico uma filhotinha da mesma raça da saudosa Boneca. A filhotinha muito nova ainda, estava envolta em um cobertor, e os presentes a pegavam no colo, sem contudo desalinhá-la de sua manta. A cachorrinha recebia os afagos de cada um, mas ficando cada vez mais dentro da coberta.

A conversa corria o mais variada possível e, assim que Chico entrou na sala, alguém colocou em seus braços a pequena cachorrinha. Ela, sentindo-se no colo do Chico, começa então a subir e lamber-lhe.

‘Ah, Boneca, eu estou com muitas pulgas’, diz ele, e a filhotinha começa então a caçar-lhe as supostas pulgas, e parte dos presentes, que conheceram Boneca, exclamaram: ‘Chico, a Boneca está aqui! É a Boneca, Chico?Emocionados, perguntamos, como pôde acontecer?’

Você pode gostar de ler também: Os animais quando morrem demoram para reencarnar?

Chico responde: ‘quando nós amamos nosso animal e dedicamos a ele sentimentos sinceros, ao partir, os espíritos amigos o trazem de volta, para que não sintamos tanto a sua falta. É a Boneca que está aqui, sim. Ela está ensinando a esta filhotinha os hábitos que me eram agradáveis.

Nós, seres humanos, estamos na natureza para auxiliarmos o progresso dos animais, na mesma proporção em que os anjos estão para nos auxiliar, por isso, quem chuta ou judia de um animal, é porque ainda não aprendeu a amar.’

Esta, assim como várias outras histórias podem ser encontradas no livro ‘Chico Xavier, o amigo dos animais’, de autoria de Carlos A. Baccelli.”

fonte: Letra Espírita, por Maristela Boldrin

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 10.320 outros assinantes

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitterYouTube

Veja também

foto de uma plantação de lírios do campo

Faça pausas para olhar os lírios que nascem nos campos da vida

Às vezes precisamos de pausas em nossa vida atribulada para olhar os lírios que despontam no campo de nossa existência.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Holler Box
%d blogueiros gostam disto: