Home / Espiritualidade / Como fazer as pazes com um Espírito obsessor

Como fazer as pazes com um Espírito obsessor

um rosto masculino de perfil olhando para o rosto de uma mulher de perfil que tem seu rosto muito pálido sem cor fazer as pazes com um espírito obsessor

As diferentes relações que temos com o plano espiritual.

O intercâmbio que existe entre nós e os Espíritos pode ter resultados bem diferentes. Podemos receber a proteção de espíritos de luz ou passar por vários problemas por causa de um Espírito obsessor e, neste caso, é sempre bom saber como fazer as pazes.

Naturalmente, quando nos ligamos pela oração e pelas boas práticas de conduta aos Espíritos evoluídos, recebemos inspiração e proteção por parte de nossos benfeitores espirituais.

Por outro lado, manter pensamentos e atitudes contrárias ao bem podem causar a aproximação de Espíritos menos evoluídos, aqueles que se satisfazem sugando nossa energia e inspirando-nos a atitudes que nos comprometem cada vez mais.

Além disso, dentro desse relacionamento de obsessão, pode também acontecer de sermos assediados pelo Espírito de alguém que, nesta vida ou mesmo em vidas passadas, está à procura de ajuste de contas e de vingança.

Naturalmente essa é uma relação muito difícil, porque estabelece uma ligação muito forte, além do compromisso adquirido perante as leis divinas para reparar o mal que possa ter sido feito.

Como fazer as pazes com os adversários desencarnados.

A Dra. Marlene Nobre¹, psicografou uma mensagem de Hilário Silva, em reunião do Grupo Espírita Cairbar Schutel, em 24 de abril de 2007². Nela, o benfeitor espiritual explica como devemos proceder para fazer as pazes com um Espírito obsessor que quer nos prejudicar.

Ele assim esclarece: “Você detecta alguém, no seu caminho, que não veste mais o corpo físico, e que procura lhe prejudicar. O que fazer? Qual a melhor conduta? Fiz algumas anotações sobre o assunto na esperança de que lhe sejam úteis.

  1. Você aprende, com os ensinamentos de O Evangelho Segundo o Espiritismo, que a dívida caminha com o devedor. Não há presença incômoda sem motivo justo, nem aproximação destituída de finalidade. O adversário foi atraído pela lei de ação e reação, sendo assim, a presença dele se justifica pela necessidade de reajuste.
  2. O ensinamento de Jesus fala em reconciliação, perdão das ofensas, mas você não conseguiu entender-se com ele, enquanto estava no mundo à mesma época. A situação complicou-se, portanto, devido à sua incúria.
  3. O que fazer, então, diante da atitude hostil? Como aplicar o ensinamento do Cristo nos dias de hoje, com a situação agravada? Da noite para o dia, não se consegue lidar satisfatoriamente com os erros cometidos, mas o que vem em primeiro lugar é a necessidade de cultivar a humildade.
  4. Palavras de arrependimento constituem o primeiro passo, mas elas, por si sós, não bastam. Se você estivesse no lugar do ofendido, não se contentaria com palavras. O que seria capaz de abalar a estrutura do seu ódio? Sem dúvida, a ação positiva no campo do bem – instrumento poderoso de transformação e mudança.
  5. Experimente fazer o bem e oferecer ao inimigo como prova de mudança. Faça-o, não como quem ensina, mas como quem aprende. A melhor forma de fazer o bem, é trabalhar pelos outros, sem exigir nada em troca.
  6. Faça da leitura sadia e da meditação um compromisso de hora marcada. O fortalecimento da mente leva mais facilmente à compreensão e ao perdão.
  7. Suporte com paciência e resignação as provas da existência. Os testes diários constituem oportunidades de crescimento, que incluem experiências com o próprio adversário.
  8. Faça a caridade como rotina. O serviço de amor ao próximo opera maravilhas. Com ele, o obsidiado cresce moralmente, aos olhos do obsessor, obrigando-o a reconhecer que não tem ascendência total sobre ele.
  9. Não se desespere com as armadilhas em que se vê envolvido. Tenha certeza de que a calma e a resignação abrirão novos caminhos de libertação.
  10. Não creia que você está abandonado do Amor Divino, entregue a uma existência de segregação, apartado da proteção superior. Por amor, Deus aproxima seus filhos para que o perdão mútuo se concretize. Dessa forma, serão mais felizes na rota evolutiva.

Você pode ler também:
>> Para se proteger da obsessão: orientações de André Luiz
>> A beleza e libertação do perdão

Você tem aí alguns pontos a considerar no caso dos inimigos desencarnados. Não se esqueça, porém, de que tudo depende de você. Nessa questão de inimizade, é preciso que o coração sobrepuje o cérebro, porque só o amor redime e reconforta. Aproveite, pois, a oportunidade que o Pai lhe oferece, acerte suas contas, e seja feliz. “

Hilário Silva

Referências

1 – Médica ginecologista, a Dra. Marlene Nobre e seu marido, o deputado Freitas Nobre, fundaram o jornal e a Editora Folha Espírita. Além disso, ela participou da fundação do Centro Espírita Cairbar Schutel, em São Paulo, e foi também uma das responsáveis pela fundação da Associação Médico-Espírita (de São Paulo, do Brasil e a Internacional). Ela faleceu em 2015, em São Paulo.

2 –Associação Médico-Espírita do Brasil

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

leaqui

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitterYouTube

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: