Home / Emoções / Cuidado para não ficar cada vez mais triste tentando ser feliz

Cuidado para não ficar cada vez mais triste tentando ser feliz

Perfil de mulher recortado sobre paisagem de oceano no pôr de sol, olhando o horizonte e tentando ser feliz.

Qual a diferença entre ser feliz e buscar a felicidade?

A felicidade é um dos motivadores da vida. Tentando ser feliz, procuram-se formas novas para sentir aquele gostinho bom de alegria. Para sentir-se bem, ter aquela sensação boa de ter realizado algo, de ter conseguido o que quer que seja.

Mas em certas circunstâncias, a felicidade – ou melhor, a busca pela felicidade – pode tomar um caráter opressivo. Ela se torna quase que uma imposição, uma necessidade quase obsessiva e doentia, que pode acabar nos deixando doentes.

Entender o que é a felicidade pode ajudar a não cair na contradição de ficar cada vez mais triste ao tentar ser feliz.

A felicidade é um estado de espírito e, como tal, não deve ser vinculada à realização de desejos. Ficamos alegres, sem dúvida, quando conseguimos uma coisa muito esperada; mas a felicidade deveria existir mesmo sem essa realização.

A definição de felicidade para Hammed.

Hammed, no livro psicografado por Francisco do Espírito Santo Neto – “Renovando Atitudes” – define o conceito de felicidade da seguinte forma:

Felicidade não é simplesmente a realização de todos os nossos desejos; é antes a noção de que podemos nos satisfazer com nossas reais possibilidades.

Ser feliz não é uma questão de circunstância, de estarmos sozinhos ou acompanhados pelos outros, porém de uma atitude comportamental em face das tarefas que viemos desempenhar na Terra.

As estradas que nos levam à felicidade fazem parte de um método gradual de crescimento íntimo cuja prática só pode ser exercitada pausadamente, pois a verdadeira fórmula da felicidade é a realização de um constante trabalho interior.

Nosso principal objetivo é progredir espiritualmente e, ao mesmo tempo, tomar consciência de que os momentos felizes ou infelizes de nossa vida são o resultado direto de atitudes distorcidas ou não, vivenciadas ao longo do nosso caminho.”

Quem está tentando ser feliz através de outro, não consegue desfrutar a verdadeira felicidade.

A felicidade não pode, da mesma forma, ser condicionada ao encontro de um par romântico. Os relacionamentos serão tanto mais românticos e felizes quanto mais cada um, individualmente, se sentir pleno e realizado.

Existe, então, um compartilhamento de duas existências felizes, e não duas pessoas tentando encontrar no outro a vida que não consegue realizar, querendo que o outro lhe faça sentir aquilo que não consegue sentir por si só.

“Construímos castelos no ar, sonhamos e sonhamos irrealidades, convertemos em mito a verdade e, por entre ilusões românticas, investimos toda a nossa felicidade em relacionamentos cheios de expectativas coloridas, condenando-nos sempre a decepções crônicas.

Ninguém pode nos fazer felizes ou infelizes, somente nós mesmos é que regemos o nosso destino. Assim sendo, sucessos ou fracassos são subprodutos de nossas atitudes construtivas ou destrutivas.”, continua Hammed.

O respeito pelo outro é a afirmação da individualidade e o caminho para a felicidade.

Um ponto importante quando alguém está tentando ser feliz é a forma como percebemos a vida. Cada pessoa tem seu modo particular de pensar e sentir, e “não é necessário compreender como os outros percebem a vida, mas sim como nós a percebemos, conscientizando-nos de que cada criatura tem uma maneira única de ser feliz.”, afirma Hammed.

“Pensamos que, se os outros se comportassem de acordo com nossos planos e objetivos, tudo seria invariavelmente perfeito. Esquecemos, porém, que o controle absoluto sobre as criaturas não nos é vantajoso e nem mesmo possível.

A felicidade dispensa rótulos, e nosso mundo seria mais repleto de momentos agradáveis se olhássemos as pessoas sem limitações preconceituosas, se a nossa forma de pensar ocorresse de modo independente e se avaliássemos cada indivíduo como uma pessoa singular e distinta.”, conclui Hammed.

Quando respeitamos o outro como uma pessoa de características únicas, com pensamentos distintos dos nossos, que sente e percebe a vida do seu jeito, reafirmamos, do mesmo modo, a nossa própria individualidade.

Ao deixarmos de nos comparar e validarmos nossas escolhas, aceitamos também a escolhas e opções que os outros fazem. Assim, quando não se está mais tentando ser feliz somente como uma forma de buscar aprovação e mostrar aos outros que somos aquilo que na verdade não somos, acabamos com os jogos do ego.

Trocamos, então, a superficialidade momentânea, a felicidade que é menos do que uma alegria espontânea, pelo sentimento benfazejo e renovador da felicidade que vem de mãos dadas com um sentimento de profunda paz.

Noemi C. Carvalho

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: