Home / Espiritualidade / Entidade materializada operou espiritualmente Divaldo Franco

Entidade materializada operou espiritualmente Divaldo Franco

fotografia de Chico Xavier e Divaldo franco e ilustração e irmã Sheilla entre eles entidade operou espiritualmente Divaldo

Divaldo recebe um diagnóstico preocupante.

Divaldo Franco contou sobre um episódio de sua vida, quando uma entidade materializada o operou espiritualmente, curando-o de um grave problema de saúde.

Em 1954, o médium e orador espírita realizava uma série de palestras em São Paulo. Ele percebeu, ao fim das palestras, que sua voz estava com uma tonalidade diferente. Ela estava áspera e rouca e, além disso, Divaldo sentia muita dor em sua garganta.

Além da afonia, o seu pescoço ficou muito inchado e as dores insuportáveis, como agulhadas, pioravam continuamente. Preocupados, alguns amigos o levaram a um célebre médico que o examinou cuidadosamente e aventou a possibilidade de que a fonte das dores, e a consequente afonia, fosse uma neoplasia maligna. Seria necessária a realização de uma biópsia para confirmar ou não o diagnóstico.

A princípio Divaldo não entendeu direito a explicação do médico. Ao ser melhor esclarecido, se deu conta que o nódulo em sua garganta poderia ser um câncer.

Estávamos em 1954, e os exames e tratamentos existentes na época ainda eram muito incipientes e agressivos. Apenas se poderia recorrer à quimioterapia e em casos extremos, à cirurgia.

Uma parada antes de voltar para casa.

Diante desse quadro, Divaldo decidiu então voltar a Salvador para realizar os trâmites necessários para iniciar o tratamento.

Os procedimentos que precisariam se feitos para uma verificação definitiva e a necessária terapêutica para tratar o problema requeriam internação em um hospital.

O instituto onde Divaldo trabalhava possuía um conceituado hospital no Rio de Janeiro e, na época, os casos mais complexos e graves eram encaminhados para a então capital federal.

Antes de seguir para Salvador, Divaldo teve a ideia de fazer uma escala em Belo Horizonte para visitar Chico Xavier, em Pedro Leopoldo. O médium baiano enviou um telegrama para Chico que concordou com a visita, e assim o encontro foi marcado.

O encontro com Chico Xavier.

Chegando a Belo Horizonte Divaldo seguiu para Pedro Leopoldo acompanhado pelos amigos Arnaldo Rocha, Carlos Cavalcanti e José Martins Peralva Sobrinho.

Como de hábito uma multidão aguardava o início dos trabalhos espirituais conduzidos pelo bondoso apóstolo da fé e da caridade.

Ao se encontrarem, Chico perguntou:

– Divaldo, você está rouco, afônico?

– É, Chico, é uma doença misteriosa. A garganta dói-me profundamente, e na área afetada tem um tumor, que o médico desconfia que possa ser um câncer.

– Deus vai ajudar, Divaldo.

Divaldo faz a palestra na reunião, a pedido de Chico.

Em seguida, Chico conduziu todos à reunião que os aguardava para ter início, e todos tomaram seus lugares na mesa. Chico preparava-se para psicografar e, como de costume, enquanto os espíritos escreviam pelas mãos de Chico, sorteava-se um tema do Livro dos Espíritos ou do Evangelho e, após a leitura, iniciavam-se as palestras.

Mas antes de Chico se concentrar, ele se dirige a Divaldo:

-Divaldo, meu filho, eu vou lhe pedir para falar, para fazer a palestra interpretando o Evangelho.

– Mas Chico, estou afônico, não consigo falar, estou muito rouco.

– Faça um esforço meu filho.

Divaldo visivelmente demonstrava dificuldade para proferir a palestra, mas conforme Chico havia solicitado, fez um grande esforço e com lágrimas escorrendo pelo rosto falou por duas horas.

A reunião prosseguia, quando um bilhete chega a Divaldo.

– O Dr. Bezerra está pedindo para você falar até o encerramento da reunião.

E assim foi até o término da reunião, por volta das duas da manhã.

O convite para um cafezinho.

Em seguida, como era de costume quando havia visitantes, Chico convidou todos para ir até a casa de seu irmão, André Luiz, para o cafezinho com broa de milho.

A comitiva seguia pelas ruas escuras de Pedro Leopoldo, conversando. Divaldo fala então para Chico:

– As dores estão muito fortes. Ah, Chico estou tão preocupado com isso…

– Não tem nada não, meu filho, confiança em Deus.

Ao chegar na casa de André, Chico disse ao grupo:

– Antes do café, vamos orar para aplicar um passe no Divaldo.

Tem início mais uma reunião espiritual.

O grupo se dirige a um quarto com o piso de tijolos. Além da porta, o cômodo possuía uma janela onde André estendeu um cobertor para que a claridade não entrasse. O mobiliário humilde era composto por uma cômoda e seis cadeiras.

Chico pegou uma cadeira, ajeitou-a ao lado da cômoda e sentou-se. Divaldo fechou a porta e foi orientado para que encostasse a sua cadeira na porta. Chico pediu, então, que a luz fosse apagada e disse:

– Divaldo, ore, meu filho.

– Chico, está doendo muito, não vou conseguir.

Mas Divaldo fecha os olhos e ora, com a voz rouca quase desaparecendo, com muita fé. Como se orasse com a própria alma, ele começa a se comover, pois era jovem, só tinha 27 anos. Tanta vida pela frente e a possibilidade de estar com câncer na garganta.

Irmã Scheilla se materializa e se apresenta a Divaldo.

O ambiente em total penumbra, Divaldo estava quase terminando o Pai Nosso, quando então ouve-se uma voz feminina, tão clara como pouco antes se ouvira a voz de Chico.

– “Divaldass, abrri os olhos…”

Atônito, Divaldo repassa em pensamento que, além dele, haviam entrado no quarto Chico, André Luiz, Arnaldo Rocha, Carlos Cavalcanti e José Martins Peralva Sobrinho. Não havia nenhuma mulher…

– “Divaldass, abrri os olhos.”

Divaldo então abre olhos.

Ele abre os olhos e, muito comovido vê a materialização de uma jovem que parecia ter idade entre 16 ou 18 anos, loura, cabelo partido ao meio e penteado para trás, olhos azuis. Vestia um avental de enfermeira, possivelmente da primeira guerra. Linda, iluminada, era como se uma luz forte e bela irradiasse de dentro para fora, iluminando também parte do cômodo.

Falando um português misturado com alemão, a jovem entidade diz:

– “Me chame de ‘schwester’ Scheilla, ‘irmão’ Scheilla.”

Divaldo é operado espiritualmente por irmã Scheilla.

– “Agorra, Divaldas, abrri boca.”

Segurando um instrumento muito parecido com uma caneta que possuía uma luz na ponta, ela diz:

– “Venho trratarr seu garrganta, nós vamos prrecisarr muito de seu voz.”

Ela insere aquele desconhecido instrumento na boca de Divaldo e, enquanto isso, explica:

– “Eu vou colocarrr um pouco de rrádio no seu garrganta para cuidarr tumorrzinho. Vai doerr um pouco. Você tem medo de dorr?”

Divaldo, preocupado, indaga:

– Mas vai doer muito?

– “Muito, muito, mas vai ficarr boa. Abrre bem o boca.”

A hábil enfermeira manuseia o equipamento que, acionado, emitiu um forte zumbido. Neste momento, Divaldo grita, depois de sentir a intensa pontada muito quente emitida pelo instrumento que, segundo ele, teria ‘queimado até o perispírito’.

Calmamente, Scheilla retira o aparelho e, com um doce sorriso, diz:

– Vou ‘botarr’ outra vez.

Divaldo prontamente responde:

– Não, não precisa eu já estou bom!

Nesse momento o orador baiano percebe que sua voz estava melhor.

– Vou, ‘abrre’ boca.

Outra aplicação, novo e estrondoso grito. A atenciosa cuidadora pergunta:

– Como está?

Divaldo recebe a cura e um abençoado souvenir de Irmã Scheilla.

A dor passara, a voz estava totalmente recuperada e Divaldo, sentindo-se completamente bem, começa então a chorar. Em seguida, uma grande emoção faz Divaldo exclamar:

– Nossa o que é que eu faço? Isso não está acontecendo… Nós sempre queremos fatos, acontecimentos, e depois queremos a confirmação desses fatos, e depois a reconfirmação. Quando eu sair daqui vou pensar que foi um sonho, uma alucinação, mas estou conseguindo falar, minha voz está boa, não tenho mais dor.

Divaldo extremamente emocionado e maravilhado, em lágrimas, continua:

– Scheilla, me perdoe, mas a alma humana é muito infeliz. Mesmo tendo passado por tudo isso eu vou pensar que foi a minha imaginação. Por favor, você me daria algo para eu levar e ficar, para que quando pensar que foi um sonho eu tenha algo para me convencer?

Scheilla responde:

– “Rasgue um pedaço de meu capa…”

Divaldo consegue recortar um pedaço do tecido que até hoje está no Museu do Espiritismo, na Mansão do Caminho.

A bondade se derrama numa chuva de pétalas.

– “O que mais você gostarria, Divaldass?”

– Scheilla, eu tenho uma amiga suíça que mora no Rio de Janeiro e sempre me fala do edelweiss. Você conhece essa flor?

Ela aquiesceu com a cabeça, levantou a mão e, então, começa a cair sobre Divaldo uma flor aveludada, de um intenso branco. Elas estavam orvalhadas.

Divaldo pega seu lenço do bolso, estende sobre os joelhos e começa então a recolher as preciosas flores.

Você pode gostar de ler mais sobre irmã Scheilla em As lições perfumadas de Chico Xavier

Scheilla novamente pergunta a Divaldo:

– “Mais algo, Divaldass?”

Divaldo agradece muito à irmã Scheilla, que lhe diz:

– “Divaldass vamos serr amigos, vamos trrabalharr juntos. Dr. Bezerra de Menezes manda dizerr que tenha muito cuidado com seu voz. Lembrre-se: toda vez que você sentirr cansado do excesso de falarr divulgando a mensagem de Jesus, pense nele e, em seu nome, eu irrei em seu socorro.”

Em seguida, ela se dirigiu para atender José Martins Peralva Sobrinho, Carlos Cavalcanti e Arnaldo Rocha.

Assim que finaliza os atendimentos, Scheilla, flutuando no ar, despede-se até o próximo encontro e, como névoa, dissolve-se, deixando no ar um doce aroma de violetas.

Chico desperta do transe e, com seu jeitinho, pergunta:

– E a voz, Divaldo, como está a garganta, meu filho?

– Ah, Chico, está bem, muito bem!

As flores continuam guardando a lembrança do precioso momento.

Divaldo relata:

– Nunca mais eu fiquei afônico totalmente. Até hoje, fico com a voz cansada porque às vezes falo por 8 ou 10 horas num dia de seminário, e depois faço conferência à noite.

É natural que o instrumento canse, mas afonia nunca. Jamais cancelei uma conferência em 71 anos por afonia, por gripe, resfriado ou qualquer dificuldade, porque quando a coisa vai apertando eu logo chamo a Scheilla.

Este é mais um fato mediúnico extraordinário de Chico Xavier. As abençoadas flores e o lenço que as recolheu até hoje estão guardados no Museu do Espiritismo, na Mansão do Caminho.

José Batista de Carvalho

Baseado em entrevistas de Divaldo Franco

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

leaqui

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

Também nas redes sociais:

Facebook

Instagram

Pinterest

Twitter

YouTube

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: