Home / Autoconhecimento / Match perfeito?

Match perfeito?

A busca digital pela alma gêmea.

Neste tempo em que vivemos, parece que nada é feito para durar. Até os relacionamentos perderam o seu encanto em função da comunicação muito veloz. A virtualidade das conversas instantâneas aproximou as pessoas, mas afastou o olho no olho, a carícia, o calor da pele.

Os relacionamentos, como chamas, ardem intensamente no seu início, mas rapidamente se transformam em cinzas sem vida e sem calor. Hoje já não se faz do relacionar-se um ritual transposto em etapas de aproximação e conhecimento da pessoa que está do outro lado.

Avaliam-se pessoas pela fotogenia do rosto que, em ínfimos instantes, são tocados para a próxima foto – que se não chamar a atenção, será instantaneamente descartada, findando-se ali o encontro e a possibilidade de conhecer alguém mais a fundo.

A rápida troca de mensagens deixa superficial o compartilhamento de ideias, a troca de experiências, o jeito de viver. As conversas soltas não geram uma interação verdadeira.

Passado o estágio da novidade, a motivação inicial que tornava as mensagens atrativas e aguardadas vai se esvaindo até não mais existir.

Os relacionamentos ditados pelos algoritmos dos aplicativos.

Criados para facilitar o encontro entre duas pessoas, os aplicativos, ao contrário, acabam criando dificuldades, pois os algoritmos criados não conseguem transpor a camada superficial das projeções com que as pessoas constroem seus perfis. Dessa forma, temos vários personagens à procura de um autor que possa dar sentido a uma fantasia.

Com essa base de construção, os encontros saem do mundo virtual, mas a virtualidade não sai das pessoas. Pois a dinâmica com que se desenvolvem os relacionamentos tem a mesma velocidade com que foram calculados pelos algoritmos: do encontro para a relação sexual e daí para o término do relacionamento.

Não são construídos mínimos laços de interação, vínculos afetivos, nada. Apenas o vivenciar de momentos. Da mesma forma com que se criam intimidades, elas se desfazem com a ansiedade por mais um encontro, por conhecer o alguém, que – esse sim! – será a resposta para um relacionamento saudável.

O amor não é um bem a ser consumido, é um sentimento a ser construído.

Mas a intensidade e velocidade como esse sistema funciona acaba criando mecanismos nas mentes das pessoas, que faz com que as expectativas sejam cada vez maiores causando, por consequência, frustrações maiores ainda.

Alongam-se as “conversas” pelo aplicativo, a dependência aumenta, a demora nas respostas cria dúvidas que geram insegurança, sentidos e emoções intensificam-se, gerando ansiedade e desequilíbrio.

Tudo isso retroalimenta o sistema e a tentativa de substituir a qualidade pela quantidade, que, no amor, não funciona.

Chega um tempo em que as pessoas se dão conta disso e acabam se lamentando pelo tempo perdido e pelas frustrações vivenciadas.

Mas o amor não é um bem que pode ser consumido. É algo que requer compreensão, boa vontade, esforço e paciência para ser construído e ficar alicerçado numa base sólida.

José Batista de Carvalho

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

1 – Insira o seu e-mail e cadastre-se.

2 – Autorize sua inscrição no e-mail de confirmação que você vai receber.
* Lembre-se de olhar as caixas de spam e de promoções.

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

Também nas redes sociais:

Facebook

Instagram

Pinterest

Twitter

YouTube

2 Comentários

  1. MONICA CHRISTINA DE AZEVEDO CARVALHO

    Perfeito!!

  2. Nossa! Que texto maravilhoso, gratidão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossas publicações por

e-mail

 Insira o seu e-mail para se cadastrar.

Você vai receber primeiro um e-mail para autorizar a inscrição.

Lembre-se de olhar as caixas de spam e de promoções.

Um e-mail vai ser enviado para você autorizar a sua inscrição. Lembre de olhar a caixa de spam.

%d blogueiros gostam disto: