Home / Emoções / O Mestre Zen diz como lidar com sentimentos feridos

O Mestre Zen diz como lidar com sentimentos feridos

3 árvores secas um ambiente cinzento e escuro sentimentos feridos
3 árvores secas um ambiente cinzento e escuro

Ninguém quer o sofrimento, mas ele chega mesmo sem ser convidado.

Sentimentos feridos são algo mais comum do que podemos imaginar. Quando estamos sofrendo, parece que todos à nossa volta estão vivendo mergulhados em felicidade e só nós é que nos debatemos no sombrio pântano das emoções aflitivas que nos tiram o sono, o entusiasmo e a alegria de viver.

Mas não é assim. Existe muito sofrimento por este vasto mundo que não percebemos porque, naturalmente, nós mesmos nos esforçamos em ocultar nossas emoções dos outros.

Lidar com as decepções e as frustações, entretanto, faz parte do nosso plano de vida. Pois é assim que fortalecemos a nossa personalidade e ganhamos experiência para enfrentar situações futuras de modo mais confiante.

Vou reproduzir, em seguida, alguns trechos de uma entrevista de Thich Nhat Hanh, onde o Mestre Zen discorre, com sua peculiar sabedoria e simplicidade, sobre essa questão dos sentimentos feridos.

Thich Nhat Hanh fala sobre o sofrimento causado pelos sentimentos feridos.

“Atenção plena traz concentração. A concentração traz uma visão. O insight o liberta de sua ignorância, sua raiva, seu desejo. Quando você está livre de suas aflições, a felicidade se torna possível.

Como você pode ser feliz quando está sobrecarregado de raiva, ignorância e desejo? É por isso que o insight que pode libertá-lo dessas aflições é a chave para a felicidade. Existem muitas condições de felicidade, mas as pessoas não as reconhecem porque não estão conscientes.”

O sofrimento traz muitos aprendizados.

“O sofrimento e a felicidade interexistem. Podemos reconhecer a felicidade apenas no contexto do sofrimento. É como reconhecer o branco contra o fundo preto. Somente se você sentiu fome, pode sentir a alegria de ter algo para comer.

Se você experimenta o sofrimento da guerra, pode reconhecer o valor da paz. Do contrário, você não aprecia a paz e quer fazer a guerra. Portanto, sua experiência do sofrimento da guerra serve de pano de fundo para sua felicidade pela paz.

Portanto, ter algum sofrimento é muito importante. Você aprende com o sofrimento e, nesse contexto, pode reconhecer a felicidade.

Existe uma tendência profunda em nós de buscar prazer e evitar a dor e o sofrimento. O sofrimento tem sua própria bondade. É bom experimentar algum sofrimento, porque quando você sofre, você desenvolve compaixão e compreensão.

Quando você tem plena consciência, quando tem coragem suficiente para voltar a si mesmo e abraçar o sofrimento em você, você aprende muito. Ao fazer isso, você transforma o seu sofrimento. Se você está sempre tentando fugir do seu sofrimento, não tem chance de fazer isso.”

Que tipo de sentimentos podem se ocultar num relacionamento.

“No momento em que você nasceu, você começou a sentir medo, medo original, porque você correu o risco de morrer naquele momento crucial. Você acabou de sair de um lugar muito confortável, o útero da sua mãe, e eles cortaram o cordão umbilical. Agora você tem que respirar sozinho e há líquido em seus pulmões. Você precisa evacuar esse líquido para inspirar pela primeira vez e, se não puder fazer isso, morrerá.

Portanto, a primeira experiência de medo ocorre naquele momento, e o desejo original, o desejo de sobreviver, também nasce naquele momento. Como um bebê, você aprende que está desamparado. Você sabe que não pode sobreviver a menos que haja alguém cuidando de você.

Ao ouvir os passos de alguém chegando, você o reconhece como a pessoa que vai cuidar de você e fica feliz. Você fica o tempo todo esperando aquele som, porque quando essa pessoa vier, vai ter leite, vai ter calor, vai ter tudo.

É quando o primeiro medo e o primeiro desejo nascem e, quando você cresce, seu desejo de ter um parceiro é apenas a continuação disso. Você sente que precisa de alguém para cuidar de você porque está desamparado, vulnerável, não pode fazer isso sozinho. Você precisa de outro.

Então, se você está ansioso para procurar um parceiro, isso significa que seu primeiro desejo original ainda está presente, que você não se sente seguro quando alguém não está lá. Portanto, seu parceiro, seu amante, pode ser uma continuação de sua mãe ou de seu pai.

Você está em paz porque sente: “Estou bem agora, minha mãe está aqui, meu pai está aqui.” Não é a verdadeira presença da outra pessoa que lhe traz esse relaxamento. É sua ideia que “mamãe está lá” ou “papai está lá”. Mais tarde, você pode descobrir que a pessoa sentada ao seu lado é um incômodo e você então deseja se divorciar dela.”

O amor verdadeiro resplandece em todos os seres.

“O amor, no budismo, sempre começa com você mesmo, antes da manifestação da outra pessoa em sua vida. O ensino do amor no budismo é que, quando você volta para casa, reconhece o sofrimento em você.

Então, a compreensão do seu próprio sofrimento o ajudará a se sentir melhor e a amar, porque você sente a plenitude, a realização em si mesmo. Portanto, você não precisa de outra pessoa para começar a amar. Você pode começar com você mesmo.

O verdadeiro amor não escolhe apenas uma pessoa. Quando o amor verdadeiro está presente, você brilha como uma lâmpada. Você não brilha apenas em uma pessoa na sala. Essa luz que você emite é para todos na sala.

Se você realmente tem amor em você, todos ao seu redor lucrarão – não apenas humanos, mas animais, plantas e minerais. Amor, amor verdadeiro, é isso. O verdadeiro amor é equanimidade.”

Trazemos muito de muitas pessoas em nós.

“O self é feito apenas de elementos não-self. E é o insight do não-self que pode nos libertar. Ou seja, somos feitos de elementos ‘não-nós’. Quando olhamos profundamente, reconhecemos ancestrais, pais, culturas, sociedade, tudo, em nós.

Muitos professores budistas falam sobre o princípio da interdependência em termos abstratos, mas achei muito útil olhar para as influências específicas, tanto positivas quanto negativas, que me tornaram quem sou agora.

Esta manhã, fomos conduzidos a uma meditação sobre os elementos familiares vivos dentro de nós: ‘Dentro de mim vejo meu pai como uma criança de cinco anos, vulnerável. Sorrio para ele com compaixão.’

Esse tipo de visualização pode nos ajudar a tocar a verdade do ‘não-eu’. Quando você sabe que é feito de elementos ‘não-você’, sabe que seu pai está em você. Seu pai está totalmente vivo em cada célula de seu corpo, e o sofrimento de seu pai ainda está aí em você.

Esse é o tipo de prática que pode trazer o insight do interser², do ‘não-eu’. Pode libertar você de sua raiva, se você tiver raiva de seu pai, e assim por diante.”

A transformação dos sentimentos feridos em amor e felicidade.

“Insight e amor são o mesmo. O insight traz amor, e o amor não é possível sem o insight, a compreensão.

Se você não entende, você não pode amar. Esse insight é o entendimento e não apenas algumas noções e ideias. Na meditação, permitimo-nos ser iluminados pela luz desse insight.

Em geral, o insight de interser ajudará a remover a discriminação, o medo e a maneira dualística de pensar. Nós interexistimos – até mesmo o sofrimento e a felicidade existem – e é por isso que o discernimento do interser é a base de qualquer tipo de ação que pode trazer paz e fraternidade e ajudar a remover a violência e o desespero.

Esse insight está presente em todas as grandes tradições espirituais. Precisamos apenas voltar para casa, para nossa própria tradição e tentar revelá-la, para revivê-la.”

Thich Nhat Hanh

Referências

1 – Entrevista de Thich Nhat Hanh a Melvin McLeod, para Shambhala Sun
2 – Interser – pensamento concebido pelo monge budista Thich Nhat Hanh, uma proposta na construção de valores que contribuam para uma maior consciência humana da interconexão de todos os seres (Universidade Federal de Juiz de Fora)

O Mestre Zen Thich Nhat Hanh é um líder espiritual global, e seus ensinamentos priorizam a consciência plena, a ética global e a paz. Atualmente, aos 94 anos de idade, o mestre budista se recupera de um grave AVC sofrido em novembro de 2014, não tendo ainda recuperado a fala e movimentos do lado direito do corpo ( informações de Plum Village, acessado em 27/02/2021)

fonte: Plum Village

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

1 – Insira o seu e-mail e cadastre-se.

2 – Autorize sua inscrição no e-mail de confirmação que você vai receber.
* Lembre-se de olhar as caixas de spam e de promoções.

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

Também nas redes sociais:

Facebook

Instagram

Pinterest

Twitter

YouTube

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossas publicações por

e-mail

 Insira o seu e-mail para se cadastrar.

Você vai receber primeiro um e-mail para autorizar a inscrição.

Lembre-se de olhar as caixas de spam e de promoções.

Um e-mail vai ser enviado para você autorizar a sua inscrição. Lembre de olhar a caixa de spam.

%d blogueiros gostam disto: