Home / Autoconhecimento / O perdão abre os caminhos à nossa frente

O perdão abre os caminhos à nossa frente

lata com tampa aberta de onde saem borboletas representando a liberação de mágoas pois o perdão abre os caminhos

Como se libertar de energias negativas de fatos do passado.

Quando mantemos a ligação com energias do passado que nos fizeram sentir mal trazemos essa mesma vibração para o dia de hoje. O perdão limpa a negatividade que está acumulada e abre os caminhos para novas realizações.

Se ficamos retidos às mágoas passadas, isso faz com que, ainda que o fato que aconteceu já esteja distante, ainda sintamos aquele mesmo mal-estar, a raiva, o arrependimento, a humilhação, ou seja qual for a emoção que sentimos naquela época.

O ideal, sem dúvida, é nos livrarmos desse sentimento que não nos faz bem, que tira a concentração naquilo que é importante, traz uma sensação ruim no estômago, turva a mente e deixa o peito oprimido. Mas acontece que, por força do hábito, ficamos pensando e remoendo o fato e, quanto mais fazemos isso, pior ficamos.

Mesmo se tentamos simplesmente esquecer, dizendo algo como “deixa pra lá, não ligo, não quero mais saber disso”, percebemos que isso não funciona e, num momento qualquer, alguma coisa acontece que traz tudo de volta.

A única forma que tem um efeito profundo e duradouro para nos livrarmos dessa energia ruim é através do perdão. Jesus respondeu a Mateus, quando este lhe perguntou se deveria perdoar alguém até sete vezes: “Não até sete, mas até setenta vezes sete.” (Mateus 18:21-22)

O perdão é o entendimento e a força que nos liberta.

Muitas vezes associamos o perdão com humilhação e fraqueza. Mas é importante entender que o ato de perdoar é o ato de cortarmos a ligação com uma energia que nos prejudica. E quem é que não quer ficar livre do que lhe faz mal, quem é que não quer se sentir bem para poder estar com a cabeça boa para planejar sua vida ou simplesmente se sentir leve e tranquilo?

Perdoar não quer dizer concordar, desculpar ou tolerar maus comportamentos. Não tira nossa dignidade, não nos rebaixa, não nos torna fracos e desprotegidos.

Na verdade, o perdão nos traz o entendimento das situações que nos machucam e nos ajuda a aprender as lições para que possamos usar a sabedoria adquirida para nos protegermos de situações semelhantes.

A partir desse entendimento, encontramos maneiras saudáveis de impor limites para que deixemos o papel de vítimas e nos conscientizemos de nosso poder. E essa energia de força e autonomia será sentida pelos outros, que aprenderão a nos respeitar.

Aceitar o passado e seguir em frente.

Perdoar não é brigar mentalmente com as pessoas envolvidas, ou com os fatos da forma como aconteceram ou mesmo com a nossa reação frente a isso. Pelo contrário, é pacificar-se e aceitar que nem eu nem o outro estamos num nível evolutivo que nos permita viver sem cometer alguma falha.

Entretanto, o reconhecimento dessas falhas como um meio de evitar que elas ocorram novamente e entender que cada pessoa tem um ritmo diferente nos leva ao entendimento do que Jesus diz. Quando ele se refere a perdoar ‘setenta vezes sete’ significa que devemos perdoar tantas vezes quantas for necessário, uma vez que não nos cabe julgar os outros ou seu comportamento, mas apenas impedir que isso nos machuque.

E como fazer para que o comportamento dos outros não nos afete? Como já foi dito: perdoando, ou seja, soltando as amarras que nos prendem àquele sentimento, tirando a energia vitimizante e transformando-a numa energia de compreensão e força interior.

Debbie Ford, com suas orientações sempre voltadas para uma educação emocional e espiritual para ajudar na superação do lado sombrio da personalidade, em trecho de seu livro ‘Como Entender o Efeito Sombra em sua Vida’, reforça esse conceito dizendo que “a voz do perdão diz: ‘É hora de seguir em frente!’, ‘Eu aceito o passado‘ e ‘Essa experiência me ajudou a me tornar uma pessoa mais sábia e cheia de compaixão’.

Somos mais poderosos que as nossas dores emocionais.

O ato de perdoar é, sobretudo, um ato de amor, que se aplica não somente à outra pessoa, mas sobretudo a nós mesmos. É a aceitação de que podemos ser fortes o bastante para superar as dores e os reveses que a vida nos apresenta.

E também é a manifestação de compreensão conosco próprios, quando deixamos de nos julgar e corrigimos o rumo de nossas atitudes perante nossos próprios erros ou pelo que consideramos erros cometidos por outras pessoas.

Como explica Debbie Ford, “o perdão acontece quando entendemos que tudo o que nos aconteceu teve uma razão de ser. No momento em que conseguimos ver as bênçãos do que recebemos, a sabedoria que obtivemos e a experiência que adquirimos com as circunstâncias dolorosas ou traumáticas, perdoamos naturalmente. Então a dor no nosso coração é transformada em gratidão, e a confusão em nossa mente é substituída por lucidez.

O perdão aos outros é uma prova de que nos amamos o suficiente para sermos capazes de dizer adeus, de seguir em frente e deixar o passado para trás. Quando reunimos coragem para cortar as amarras que nos ligam negativamente aos outros, que acabam com a nossa autoestima e roubam de nós o nosso poder, passamos a ver que somos tão grandes quanto os nossos ressentimentos e mais poderosos que as nossas dores emocionais.

Perdoar é um ato corajoso e ousado.

Debbie Ford continua falando sobre a prática de perdoar: “Recebemos muitas dádivas quando optamos pelo ato corajoso e ousado de perdão. Acima de tudo, somos livres. Como diz Um Curso em Milagres, um dos textos mais espirituais jamais escritos, ‘O mais santo de todos os lugares da Terra é onde um antigo ódio se torna um amor presente’. O perdão nos desafia a encontrar o outro no meio da lama, a sabedoria em nossas feridas e a possibilidade oculta na nossa dor.

O perdão nos estimula a deixar de lado a necessidade que sentíamos de que o passado fosse diferente do que foi. Ao mesmo tempo ele nos convida a abrir mão das mágoas que temos de nós mesmos e do mundo, para que não sejamos mais prisioneiros da força gravitacional que nos puxa para o passado.

Não podemos voar alto na vida, expressarmo-nos e compartilhar os nossos dons mais preciosos enquanto estivermos carregando o fardo da dor e do sofrimento causados por anos de ressentimento, raiva e condenações. Por meio do perdão, somos capazes de olhar o passado nos olhos e, com compaixão, deixá-lo para trás, livres para poder seguir em frente.

Só podemos vislumbrar o amplo caminho que se estende diante de nós quando deixamos de olhar para trás, para o passado, para aquilo que não pode mais ser modificado.

Entendemos que o perdão abre os caminhos e o melhor é olhamos para a frente. E o novo olhar para a vida descortina todas as oportunidades que ela tem a nos oferecer.

Noemi C. Carvalho

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 10.320 outros assinantes

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Veja também

imagem da capela sistina no vaticano Deus criando sol e lua Deus mandou pandemia

Foi Deus quem mandou essa pandemia?

Será que foi Deus quem mandou essa pandemia? O Padre Reginaldo Manzotti responde a essa pergunta. Leia aqui.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Holler Box
%d blogueiros gostam disto: