Home / Autoconhecimento / Obsessão espiritual, uma epidemia invisível

Obsessão espiritual, uma epidemia invisível

imagem de um homem tendo sobreposto em sua silhueta um outro ser simbolizando obsessão espiritual

Obsessão espiritual, um assunto polêmico.

Certamente você já ouviu falar sobre obsessão espiritual. Este é o tipo de assunto que polariza as atenções, pois é envolto em muitos mistérios e superstições. E percebemos que ultimamente estamos vivendo uma espécie de “epidemia “desse tipo de perturbação.

“O que um Espírito pode fazer sobre um indivíduo, vários Espíritos podem fazê-lo sobre vários indivíduos, simultaneamente, e dar à obsessão um caráter epidêmico…”¹

O que é obsessão?

Obsessão espiritual é a ação dominadora de espíritos desencarnados sobre uma pessoa. Allan Kardec detalha que tal domínio é próprio de espíritos inferiores que, por sua ação insistente, interferem na vontade do indivíduo até conseguir o total controle sobre uma pessoa, causando plena perturbação mental.

“A influência é maior do que supomos, porque muito frequentemente são eles que nos dirigem“. ²

Quais são as causas da obsessão?

Para entendermos melhor as causas da obsessão, precisamos entender que todos nós somos espíritos imortais, ou seja, sabemos que a vida nunca termina, que ela continua. Quando uma pessoa deixa o seu corpo físico, o espírito que o animava, liberto da matéria, volta para o plano espiritual.

Nesse processo, o espírito leva consigo a soma do que vivenciou e todo aprimoramento que as experiências vividas possibilitaram para o seu progresso. Além disso, é bom lembrar que esse espirito continua sendo ainda muito semelhante ao que era enquanto vivia no mundo material, isto é, não vira um anjo ao desencarnar.

Sendo assim, uma das causas da obsessão é simplesmente a vontade de algum espírito inferior em fazer o mal. Na sua jornada, o espírito carrega todas as suas peculiaridades, suas imperfeições, suas características emocionais. A lembrança de todos os afetos e pessoas queridas, assim como dos adversários e antipatias.

Desta forma, as obsessões podem ocorrer devido a um espírito carregar alguma mágoa, ressentimento, ódio, algum desejo de vingança a respeito de algo por que passou ou sofreu enquanto encarnado. Ao se ver livre do corpo esse propósito permanece. E assim provavelmente inicia a busca pela pessoa que o prejudicou, que pode inclusive ser a responsável pela sua morte.

Com o objetivo de se vingar, sai em busca do responsável por seu infortúnio ao mesmo tempo que vai elaborando a forma de concluir seu intento. O primeiro passo é a emissão de pensamentos visando atingir o seu alvo.

A energia do pensamento repetitivo.

Lembremos que pensamento é energia que vibra e pode, portanto, ser direcionada conforme a vontade de quem está produzindo o pensamento.

Imaginemos que nossa mente é como uma estação de rádio, e como tal é capaz de emitir e captar pensamentos. Ou seja nós estamos a todo momento emitindo e captando pensamentos uns do outros, encarnados ou desencarnados.

Um espírito que por ventura queira atingir alguém com propósitos negativos fica emitindo repetidamente pensamentos, direcionando-os à sua vítima com a intenção de interferir na sua vontade.

A repetição é uma das características da obsessão: o espírito fica emitindo repetidas vezes a ideia que ele criou para enredar a pessoa nos seus intentos, que pode ser de levar sua vítima ao suicídio, a uma ruína financeira, aventura amorosa, traição, acidente ou algum fato que a faça ficar sentindo-se culpada por algo que fique insistentemente vindo à lembrança.

A mente da vítima fica saturada dessas ideias negativas que vão se apoderando da sua vontade e a confunde com relação à origem desses pensamentos que insistentemente brotam, pois não consegue distinguir se são seus, se são verdadeiros ou não.

A sintonia que se mantém com as afinidades energéticas.

Assim as escolhas da pessoa obsedada serão afetadas, levando-a comportamentos que mais e mais a afundam na negatividade e vicio. Isto possibilita ficar cada vez mais entregue à vontade tirânica do obsessor pois, no processo de sintonia, a vibração negativa se fortalece com a ligação em uma mesma frequência.

No processo de sintonia temos a máxima que os similares se ligam, e ao se conseguir manter afinidade energética com o bem naturalmente se terá possibilidade de se defender contra o mal.

Contrariamente ao se render às predisposições negativas, ao se entregar a vícios e a atitudes insensíveis, teremos a sintonia e  afinidade com o mal.

Podemos, assim, dizer que não somos apenas o que pensamos, e devemos tomar cuidado pois poderemos ser também a soma dos muitos que pensam como pensamos.

Tipos de obsessão.

Allan Kardec cita três tipos distintos de obsessão que se diferenciam entre si pelo nível de intensidade e dominação que os espíritos estão praticando.

1 – Obsessão simples

É quando a vítima tem noção de que está sendo afetada por algo e que a questão é espiritual. A ação não é continua, apresenta-se como ímpetos eventuais, geralmente na forma de impaciência, irritação intensa e agressividade.

Ao se perceber afetado, é hora de orar e vigiar, pois esse tipo de assédio é sinal que existem brechas por onde influências externas podem interferir no psiquismo. Observamos casos de pessoas que, assediadas por obsessão simples, parecem que ficam gostando desse seu estado e assim acabam presas pela fascinação.

2 – Fascinação

De acordo com Allan Kardec, o processo de fascinação é o tipo mais grave de obsessão, pois interfere e domina o pensamento amplamente, conseguindo inclusive neutralizar a capacidade de reconhecer a avaliar a origem das ideias que aparecem na mente.

Em função da dificuldade de discernir a origem e qualidade dos pensamentos, a pessoa “fascinada” não se considera enganada em suas opiniões. Assim, o obsessor consegue manipulá-la e imprimir uma certeza absoluta nas ideações implantadas, o que impossibilita ao obsedado perceber as incoerências e contradições do seu comportamento.

O espírito obsessor ilude sua vítima aproveitando-se de suas deficiências morais, enganando-a com visões de grandeza e sucesso. Buscando explorar o orgulho do obsedado e seu amor-próprio inflado, assim, meticulosamente vai dominando cada vez mais a sua presa na convicção de que ele está sempre certo, que não erra.

Em função dessa sensação de infalibilidade, o fascinador consegue facilmente incutir o interesse no obsedado por teorias enganadoras, doutrinas insensatas e mistificações.

3 – Subjugação

Aqui temos um processo muito intenso de dominação, onde o espírito perseguidor conquista um poder muito grande sobre a mente de sua vítima que perde completamente sua vontade, ficando à mercê do domínio total do obsessor.

Uma característica perversa neste tipo de obsessão é que o subjugado tem a consciência de seu comportamento, mas não detém o controle de suas ações, não conseguindo evitá-las por estar sob o ferrenho controle do obsessor.

Esse tipo de domínio decorre do fato que a vítima geralmente é alguém que se encontra ligada profundamente ao obsessor devido a um relacionamento do passado que gerou um débito. Esse relacionamento conflituoso criou uma ligação energética entre o obsessor e o obsedado, o que possibilita haver a sintonia mental que prende ambos em uma insensata vingança.

Se a pessoa nada devesse, se encontraria em melhor condição espiritual, mais avançada, mais elevada e assim, com uma vibração elevada, o espírito perseguidor seria incapaz de ter acesso mental a essa pessoa.

A vida é a oportunidade de corrigir as imperfeições para a luz interior brilhar.

Precisamos sempre lembrar que somos seres imortais, espíritos que caminham pela eternidade de encarnação em encarnação, buscando deixar no passado as imperfeições que obstaculizam a nossa luz interior de brilhar.

Ao longo das nossas vidas, os muitos débitos oriundos de nossas impensadas ações geram dívidas que serão resgatadas justamente perante aqueles que no passado prejudicamos.

Essa é a lei, e além de justa é perfeita, pois dá a cada um segundo suas obras.

José Batista de Carvalho

1 – “O que um Espírito pode fazer sobre um indivíduo, vários Espíritos podem fazê-lo sobre vários indivíduos, simultaneamente, e dar à obsessão um caráter epidêmico. Uma nuvem de maus Espíritos pode invadir uma localidade, e ali se manifestar de diversas maneiras. Foi uma epidemia desse gênero que maltratou a Judeia ao tempo do Cristo; ora, o Cristo, pela sua imensa superioridade moral, tinha sobre os demônios, ou maus Espíritos, uma superioridade moral tal que lhe bastava ordenar-lhes para se retirarem, para que eles o fizessem, e não empregava para isso nem sinais, nem fórmulas.”

Allan Kardec – Obras Póstumas – Da Obsessão e da possessão, item 60.

2 –  Allan Kardec. Livro dos Espíritos, questão 459.

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 10.322 outros assinantes

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: