Home / Comportamento / Ação Social / Os idosos e o isolamento social: como manter o equilíbrio

Os idosos e o isolamento social: como manter o equilíbrio

Este artigo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) trata de como o isolamento social pode afetar os idosos e também dá orientações sobre como agir e o que fazer para ajudar a manter o equilíbrio da saúde emocional. Leia a seguir.

Saúde mental dos idosos deve receber atenção durante a pandemia.

Os idosos estão no grupo de pessoas que correm maior risco com a contaminação pelo novo Coronavírus. O distanciamento social, cuidados redobrados com higienização e uso de máscaras são recomendados por todas as autoridades sanitárias.

Mas, além disso, também é preciso cuidar do bem estar mental dessa população, garantindo qualidade de vida emocional para enfrentar a pandemia.

De acordo com Claudia Valente, docente do Departamento de Terapia Ocupacional (DTO) da UFSCar, que desenvolve estudos na área do envelhecimento, a pandemia de Covid-19 instaurou um novo cotidiano, exigindo adaptações no dia a dia de todas as pessoas.

As reações diante dessas mudanças podem ser variadas e, segundo ela, precisam ser acolhidas e entendidas sem muitas cobranças. “Algumas pessoas se sentem irritadas, outras tristes, raivosas, outras negam a situação, outras fazem piada, têm pouco interesse em tarefas diárias, e outras podem adotar uma postura mais ativa como forma de controlar o meio ao seu redor”, enumera a docente.

Como ajudar os idosos durante o isolamento social.

Valente explica que várias ações podem ajudar os idosos a vivenciarem o distanciamento social momentâneo. Uma das estratégias é estimular o sujeito a lembrar o que já fez em situações problemáticas vivenciadas no passado e sugerir que repita o comportamento.

Ouvia música alta? Cantava? Cozinhava? Rezava? Então faça isso. No momento que estamos vivendo, é bom relembrar que já superamos outros obstáculos na vida e que estratégias anteriores podem ser úteis agora”, indica a professora.

Outra dica é entender que o distanciamento tem o sentido de proteção a si mesmo, da família, da comunidade em geral. “Dar sentido à essa situação permite que seja mais fácil lidar com ela”, defende.

Sentir o apoio da família é importante.

O apoio da família também é importante. Valente recomenda ouvir os idosos e não adotar uma postura impositiva, com ordens e regras para pais e avós.

Além de explicar a necessidade do distanciamento social, é fundamental que a família esteja disponível para ajudar, se organizando para fazer compras, pagar contas e higienizar alimentos, por exemplo.

Além disso, os familiares devem acompanhar seus idosos por meio de ligações e chamadas de vídeo. “Nas primeiras semanas pode ser que a pessoa negue a necessidade de ajuda, mas com o passar dos dias, ter com quem conversar é importante. Mesmo que não haja problema aparente, saber que se tem com quem contar é extramente reconfortante e tira o indivíduo do sentimento de solidão”, enfatiza a docente da UFSCar.

Para preencher o tempo, dicas de atividades são plantar mudas, cozinhar, escrever cartas, mudar a decoração dos cômodos, organizar gavetas, jogar e praticar exercícios físicos dentro de casa e também descansar.

“Creio que as famílias estão tendo o desafio e a oportunidade de resgatarem hábitos e relações que estavam adormecidos”, avalia Valente

Durante o isolamento social é preciso redobrar a atenção com os idosos.

No entanto, a professora aponta que os familiares devem ficar atentos a alguns sinais que podem indicar problemas mais graves nos idosos, como a depressão.

Esses sinais podem ser observados quando a pessoa não consegue realizar atividades que fazia normalmente, não tem interesse em conversar ainda que pelo telefone, dorme muito ou fica muito tempo dentro do quarto, faz queixa de dores difusas, esquece informações com frequência, não sente prazer em se alimentar, fala muito sobre morte etc..

“Esses são sinais de que um quadro mais grave está se instalando e é preciso ajuda profissional”, destaca a docente. 

O guia “O que vou fazer hoje?” com atividades para o bem estar mental dos idosos foi elaborado com a coordenação da professora Claudia Valente e está disponível gratuitamente em www.informasus.ufscar.br. Outros materiais com orientações e dicas para o enfrentamento à pandemia estão disponíveis no mesmo site.

Republicação de artigo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), por Gisele Bicaletto – acessado em 24/04/2020

Leia mais dicas e informações sobre alimentação, trabalho remoto, medidas de proteção e outros assuntos no Painel da pandemia: o que você precisa saber

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Veja também

menina pequena com fantasia de de borboleta olhando pela janela crianças pandemia

Crianças na pandemia: como mantê-las ativas e seguras

Especialistas da Johns Hopkins e de Stanford orientam sobre a melhor forma de deixar as crianças brincarem fora de casa e como ensinar a usar uma máscara de proteção.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Holler Box
%d blogueiros gostam disto: