Home / Autoconhecimento / Qual o seu ideal de pessoa? 

Qual o seu ideal de pessoa? 

Existe uma pessoa perfeita?

Como é a pessoa ideal para você, tanto em relação aos outros, como em relação a você mesmo? “Ideal em relação a quê”?, você vai perguntar.

Deixemos de lado todos os aspectos físicos: altura, peso, cor de pele, tipo de cabelo, idade. Deixemos, também, tudo o que pode representar gostos pessoais: preferências por atividades de lazer, gosto por restaurantes e pratos preferidos, estilos de músicas e de filmes e até mesmo preferências sexuais. Podemos, também, descartar opiniões pessoais referentes a política, esportes, religião.

Bem, então, o que sobra? Sobram os aspectos interiores, aquele complexo de padrões de pensamentos e sentimentos que formam a personalidade e direcionam nossas atitudes. Eu até arrisco dizer que esse complexo vai além da personalidade, pelo menos da personalidade que expomos e tornamos visível aos olhos dos outros ou – por que não dizer? –  temos certeza de tratar-se de características pessoais nossas.

Creio que todos gostam de sentir como pessoas boas, corretas, amáveis, enfim, vistas com bons olhos pelos outros. Um fator de importância fundamental no autoconhecimento é reconhecer que temos, em nosso âmago, aspectos de caráter opostos.

Esse reconhecimento é necessário para que tenhamos a consciência que possuímos aquilo que chamamos “defeitos”, e assim não sejamos pegos de surpresa quando alguma situação puxar o nosso pior lado.

Como reconhecer a natureza de nossos opostos?

Acredito, sim, que existam pessoas conscientes de seus opostos, que conseguem mantê-los em equilíbrio em qualquer situação. Eu, assumo isso com pesar, não cheguei lá ainda. E pelo que vejo diariamente, a maioria das pessoas ainda não conseguiu. São as pequenas explosões, aqueles momentos em que perdemos as estribeiras, falamos alto, respondemos mal, julgamos e criticamos.

Nós temos, dentro de nós, a paz – mas também temos a guerra; temos o amor – mas muitas vezes expressamos a raiva; temos a bondade – que às vezes se esconde na omissão; temos a fé – muitas vezes acobertada pelo medo.

Isto é, nós somos o bem e o mal, a força e a fraqueza, a luz e as trevas, a alegria e a tristeza, o amor e a dor. Somos constituídos pelos opostos, pois essa é assim que se forma o todo. Publicamos anteriormente um post de Debbie Ford, que você pode ler em seguida, e retrata isso de uma forma muito bonita e compreensível: Por que negamos a matilha de lobos que vive em nós?

Não podemos desprezar essa informação: temos dentro de nós opostos, e o ideal é compreendermos e usarmos adequadamente, no momento e na proporção correta, cada polaridade, mantendo seu equilíbrio para que o todo seja harmonioso.

Vocês devem conhecer a fábula do sapo e do escorpião, mas vou relembrá-la, começando como toda fábula começa:

Era uma vez um escorpião que, querendo atravessar o lago, pediu ao sapo que o levasse em suas costas. O sapo recusou: “Você vai me picar e eu vou morrer.”

O escorpião, por sua vez, retrucou: “Pense um pouco: se eu te picar no meio do lago, eu também vou morrer.” O sapo pensou um pouco e, convencido pela explicação, aproximou-se da margem para que o escorpião subisse em suas costas.

Quando estavam no meio do lago, o sapo sentiu a picada letal. Incrédulo, perguntou ao escorpião por que ele fizera isso, pois agora ambos morreriam.

Ao que o escorpião respondeu: “Desculpe, não consegui resistir. É da minha natureza.”

Como controlar nossos impulsos?

Como podemos resistir à nossa natureza explosiva, ferina, desagradável, egoísta? Com muito esforço. Prestando atenção aos nossos sentimentos, sentindo o momento em que possivelmente venham a se manifestar.

Então, procurar retardar ao máximo qualquer palavra, qualquer atitude. Respirar fundo sempre é uma boa opção. Enquanto respiramos não conseguimos falar, o ar entrando em maior quantidade alivia a tensão. Tente conquistar esses segundos para dar um tempo de escolher qual atitude você prefere. Isso pode evitar o arrependimento de uma explosão repentina.

Pode ser difícil na primeira vez, você só vai lembrar disso depois que o momento passou. Mas na segunda vez, talvez você se lembre durante o momento: “Puxa, não queria ter explodido, agora já foi.” E na terceira vez, você vai conseguir conter o ímpeto a tempo.

Aos poucos você vai sentindo mais segurança, vai conseguindo resistir a essa sua natureza mais agressiva. Mas todo cuidado é pouco, porque sempre há a possibilidade de um deslize e, normalmente, conseguimos manter um controle adequado em situações de menor importância mas acabamos perdendo o rumo num evento de maior significação pessoal.

Como num jogo de tabuleiro, jogamos os dados, avançamos pelas casas, às vezes acabamos retrocedendo. Mas o caminho continua à frente, esperando por nós.

 

Noemi C. Carvalho

 


No post São Jorge, livrai-me de meus dragões interiores , no trecho sob o cabeçalho “São Jorge e o dragão: uma dicotomia que nos leva do inconsciente para o consciente”, você vai encontrar boas informações sobre a integração das sombras na jornada para a expansão da consciência


 

Veja também

Imagem com fundo escuro com a frase tudo passa em branco para superar dificuldades

Orientações de Chico Xavier para superar as dificuldades da pandemia

As lições de Chico Xavier são sempre valiosas, sobretudo quando precisamos de auxílio para superar dificuldades, como neste momento em que vivemos os males da pandemia.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: