Home / Autoconhecimento / Quando sua mente está cinzenta como um dia de chuva

Quando sua mente está cinzenta como um dia de chuva

Mulher com olhar triste olhando por uma janela respingada de chuva denotando que a mente está cinzenta
Quando sua mente está cinzenta como um dia de chuva.

Numa tarde cinzenta, uma mente cinzenta para combinar.

Sento em frente ao computador para começar a escrever. Procuro concatenar as ideias e juntar as letras no teclado. Mas, ao que parece, minha mente está cinzenta como a tarde chuvosa que escorre pelas janelas e paredes.

As ideias gostaram da ideia e também escorrem. Ligeiras e faceiras, não consigo segurá-las entre meus dedos.

Olho em volta procurando a inspiração e então vejo minha gatinha que escorreu para trás do notebook, para se aquecer no calor da tecnologia. Bem, pelo menos, a saída lateral está desobstruída, o note não vai superaquecer e torrar.

Corro os olhos pelas linhas escritas e lembro da minha cachorrinha que agora corre sua infinita energia por outros infinitos espaços. Saudades.

Uma mesma palavra pode despertar emoções diferentes e até contraditórias.

Saudades: quantos significados pode ter, quantas emoções pode despertar essa simples palavra. A combinação de letras combina os sentimentos de acordo com a nossa predisposição.

Assim, se estamos alegres, ela nos lembra da saudade doce e gostosa, da lembrança que faz rir os olhos e aquecer o coração. Saudade boa, amorosa, de uma pessoa, de um lugar, de um tempo.

E pronto, olha lá: acabei de ativar as minhas memórias. Porque agora passam rapidamente imagens do recreio na escola, das brincadeiras na rua, das casas da vizinhança…

Se a mente está cinzenta, ela pode despertar pensamentos negativos.

Você já percebeu isso alguma vez? Às vezes, você está com a cabeça vazia e, de repente, do nada, ela se enche de tanta coisa que você nem estava pensando, nem lembrando.

Basta aquilo que chamam de gatilho. Uma coisa à toa, uma palavra só, e os pensamentos, as imagens, as lembranças vêm de caminhão, aliás, tem vezes que chegam em frotas de caminhões.

Agora, quando é um carregamento bom, está tudo bem. Mas deu para perceber que o mesmo mecanismo vai funcionar também para o carregamento daquela carga emocional pesada, densa, sombria, escura, negativa, tóxica…que mais? Não sei, esgotei meus sinônimos.

O desfile de horrores dos pensamentos.

E aí, então, como fica? Daquele jeito, é claro: você fica mal, para baixo, desanimado, tristonho, chororô, derrotista, dramático, catastrófico. Sim, claro, pode completar com o que mais vier à sua cabeça.

Pronto, é o que basta! Em seguida, já começa o desfile de horrores dos pensamentos: “Isso não vai dar certo. O que eu vou fazer agora? Não tem jeito de consertar essa situação. Se pelo menos… Se eu tivesse… Será que…”

E o que acontece em seguida? Agora sim, você deu o sinal para chamar todos os carros alegóricos, antecipando o Carnaval. Então eles vão chegando, desfilando os seus maiores medos, as suas piores aflições, escancarando suas lembranças mais vergonhosas.

Enquanto isso, você acaba sendo jogado lá no meio, atônito, não acha a saída, e aquele arremedo ensurdecedor de música que só repete o refrão de todas as suas angústias. É ruim, não é?

Perceba se a mente está cinzenta e redobre a atenção aos seus pensamentos.

Então, não é melhor prestar atenção ao que você está sentindo e pensando? Porque essas imagens, esses “pensamentos do mal”, vão aparecer uma hora dessas. É o que falamos lá em cima: tem um gatilho que dispara todo o esquema. Mas esse gatilho é mais difícil de você perceber e controlar.

Por outro lado, os pensamentos você pode interromper e mandar tocar outra música. Só que você precisa estar atento, interromper o desfile macabro logo. E, acima de tudo, o melhor mesmo é evitar que ele comece. Porque senão, fica cada vez mais difícil, a saída fica sempre mais longe.

É melhor você respirar fundo e falar: “Opa! O que é que é isso? Isso não é meu, não vou pensar assim. Se ainda não deu certo, é exatamente isso: AINDA. Mas vai dar, vou me empenhar nisso, é o que quero, sei que posso!”

Encontre a sua saída, escale os obstáculos.

Portanto, para ficar bem, faça isso todas as vezes que perceber que não está bom. Naturalmente, isso não é uma ordem, contudo, deixo como sugestão. Mas, pelo menos, experimente.

Isso deve ajudar você a sair dessa bagunça que a mente às vezes faz. Pelo menos, enquanto você se recompõe, até você conseguir se equilibrar na beira do poço e não ir parar lá para no fundo.

Mas se por acaso cair, faça como a Dona Aranha da cantiga:

A dona aranha subiu pela parede
Veio a chuva forte e a derrubou
Já passou a chuva o sol já vai surgindo
E a dona aranha continua a subir
Ela é teimosa e desobediente
Sobe, sobe, sobe e nunca está contente.

Seja teimoso, enfim, mais do que a sua mente, movimente essa força que existe em seu interior. Porque ela é poderosa e espera o seu comando.

Noemi C. Carvalho

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

leaqui

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: