Home / Espiritualidade / Santa Joana D’Arc e a Louca de Paris

Santa Joana D’Arc e a Louca de Paris

ilustração de Santa Joana D'Arc caminhando sob a batalha com sua espada e estandarte liderando suas tropas Joana D'Arc e a Louca de Paris

A santa guerreira da França.

A breve vida de Joana D’Arc – ela foi queimada viva quando tinha 19 anos – tem um belo episódio que se passou quando ela conheceu a mulher que chamavam de a Louca de Paris.

A Idade Média foi cenário para muitos horrores, quando ocorreram as Cruzadas e, em seguida, a Inquisição. As batalhas pelo poder, pelos privilégios da dominação, as disputas políticas e as atrocidades em nome da fé vitimavam pessoas e dizimavam aldeias.

No ano de 1412, na cidade francesa de Domrémy, como conta o espírito Miramez¹, “para que o sofrimento não pesasse demasiadamente nos ombros dos sofredores, os Céus se abriram e desceu uma estrela em forma de mulher, com o nome de Joana D’Arc.”

Desde os 13 anos de idade ela ouvia vozes divinas, que a aconselhavam e orientavam. Pelas mensagens que ouvia, soube, então, que devia ajudar a França na Guerra dos Cem Anos, um dos mais longos e sangrentos conflitos da história da humanidade, quando a França tentava recuperar os territórios perdidos para a Inglaterra.

Mas em certo tempo, devido a manobras políticas, foi presa e julgada por diversas acusações de cunho religioso, sendo sentenciada à morte na fogueira.

Posteriormente, o seu processo foi revisto e foram, então, anuladas as acusações de feitiçaria e bruxaria e proclamada a sua inocência. Ela foi canonizada em 1920 pelo Vaticano. Santa Joana d’Arc é atualmente uma das padroeiras da França.

Joana D’Arc conhece a Louca de Paris.

Miramez¹ conta que, nesse tempo, perambulava pelas ruas de Paris uma mulher conhecida como a Louca de Paris. Em certos momentos, quando ela estava lúcida e serena, causava a admiração de todos que a ouviam.

“A filosofia fluía, articulada por palavras que os próprios filhos de Sócrates teriam dificuldade de assimilar”, diz Miramez. Mas quando voltavam os ataques de fúria, “saíam de seus lábios palavrões que o próprio ar se negava a conduzir aos ouvidos humanos.”

Certa vez, estava presa nas masmorras por desacatar alguns inquisidores e defronte à sua cela, estava a cela de Joana D’Arc. A Donzela de Orleans seria retirada para mais alguns dos intermináveis interrogatórios, mas a mulher quis defender a guerreira francesa, tendo um acesso de fúria.

Os soldados, então, por ordem dos Inquisidores, abriram as grades da cela onde estava a Louca de Paris e empurraram Joana D’Arc para dentro, dizendo:

– “Pede a ela que te cure, pois não cansa de dizer que fala com os Anjos!”

O alívio do sofrimento pela cura milagrosa.

Quando então se viu perante a heroína, conta o autor espiritual que “a mulher enfurecida acalmou-se, ajoelhou-se nos pés da heroína e pediu alívio, como mãe relegada aos entulhos da própria natureza, chorando como criança.

Joana passou os olhos como raios em torno da mulher e então viu vultos negros que avançavam como vampiros, sugando tudo que fosse divino, nos divinos centros de força daquela criatura.

Ordenou-lhes, então, em nome do Cristo e dos Santos que sua memória alcançou na hora, falando com energia.

Acariciou a louca como se esta fosse uma criança em braços de mãe extremosa. Beijou a fronte da companheira de angústias e dela se despediu, caminhando para o dever frente aos carrascos do poder temporal.”

Em seguida, a Louca de Paris nunca mais sofreu daqueles acessos, curada pela presença da Pastora de Domrémy. Sempre serena, suas palavras fluíam encantando todos que a ouviam, que comentavam:

– ‘Essa não é a louca? Ela foi curada? Por quem?’ E alguém respondia do meio da multidão: – ‘Foi Joana D’Arc quem expulsou os demônios que estavam com ela’.

Mas ela andava sempre melancólica pelas ruas de Paris, à procura de sua benfeitora, quando então morreu ao ser atropelada por uma carruagem. “No entanto, como ninguém morre – apenas passa de uma dimensão para outra – ela continuou no mundo dos Espíritos procurando Joana D’Arc.”, explica Miramez.

A Louca de Paris reencontra Joana D’Arc.

Numa manhã, aquela que havia sido a Louca de Paris viu uma multidão enfurecida gritando “Queimem a feiticeira!”, e viu, então, Joana D’Arc sendo consumida pelas labaredas, “olhos fitos nos céus e algumas lágrimas escorrendo em suas faces.”

Aproximou-se de sua benfeitora quando “uma voz ressoou em sua mente inquieta: ‘Vá, seja grata àquele coração que pulsa para o Bem da humanidade’.”, narra Miramez, que continua:

“Joana, quando atada ao lenho, poderia ter saído do corpo, mas assim não quis; preferiu, enquanto a queimavam, entrar em prece, pedindo a Deus por seus opositores.

Terminada a rogativa, desprendeu-se do fardo físico e viu a sua protegida enroscada nas labaredas, protegendo o seu coração.

Estendeu os braços e recolheu-a no regaço de Amor, e com um beijo, colocou-a refratária ao sofrimento que a torturava, causado pelas chamas, e, ao lado de um cortejo de estrelas volantes, demandou ao infinito.”

Ao final, os carrascos foram recolher as cinzas de Joana para jogar no rio, e então encontraram o seu coração intacto.

Uma vida iluminada que diminui a escuridão.

Apesar do pouco tempo que viveu e da oposição que encontrou em sua tarefa de restabelecer o equilíbrio e a paz, conta o autor espiritual que “Joana fez tremer os alicerces da escuridão consciencial dos inquisidores, o que aliviou um pouco a severidade nos tribunais.

Os que mofavam nos cárceres, nas masmorras e nos porões do Santo Ofício, cresceram em coragem e em disposição de ânimo, pois a esperança transforma a alma.

Nenhum dos Espíritos de alta categoria vem ao mundo para tirar todo o sofrimento da humanidade. Como a água que tomamos hoje, sabendo que amanhã teremos sede novamente, surgem como alívio, orientando-nos no sentido de encontrarmos a verdadeira fonte, dentro de nós mesmos.”, conclui Miramez.

Em qualquer época, em todas as situações, certamente nunca falta o auxílio divino. Muitos dos sofrimentos são resgates de faltas passadas, mas mesmo assim, sempre vem o amparo e a orientação a quem estiver disposto a recebê-los.

Nem todos têm a oportunidade de conviver com um dos anjos missionários do Senhor em passagem pela Terra. Mas os exemplos de fé, as palavras de esperança e os testemunhos de amor ecoam pelos ares e nos convidam, como disse Miramez, para que encontremos a fonte do bem dentro de nós.

Noemi C. Carvalho

Referências

1 – Fernando Miramez de Olivídeo nasceu na Espanha. Em 1649 chegou ao Brasil e se dedicou a aliviar os sofrimentos físicos e espirituais dos indígenas e dos escravos com quem convivia.
Tornou-se guia espiritual de João Nunes Maia (1923 – 1991), com o qual se identificou numa reunião na União Espírita Mineira (UEM).

– Miramez, no livro “Francisco de Assis”, psicografado por João Nunes Maia
Wikipedia
Consagrados de Fátima
BBC News

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

1 – Insira o seu e-mail e cadastre-se.

2 – Autorize sua inscrição no e-mail de confirmação que você vai receber.
* Lembre-se de olhar as caixas de spam e de promoções.

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

Também nas redes sociais:

Facebook

Instagram

Pinterest

Twitter

YouTube

[themoneytizer id=”61382-19″]

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba nossas publicações por

e-mail

 Insira o seu e-mail para se cadastrar.

Você vai receber primeiro um e-mail para autorizar a inscrição.

Lembre-se de olhar as caixas de spam e de promoções.

Um e-mail vai ser enviado para você autorizar a sua inscrição. Lembre de olhar a caixa de spam.

%d blogueiros gostam disto: