Home / Emoções / Saudade é uma ansiedade que mora na lembrança

Saudade é uma ansiedade que mora na lembrança

Uma colcha dos retalhos de bons momentos da vida.

Saudades.

De acordo com algumas definições, é um sentimento de mágoa e nostalgia, uma lembrança de bons momentos passados, seja relativo a pessoas, lugares, coisas ou épocas, marcados por uma ligação afetiva e feliz, cuja ausência ou distância nos traz um doloroso sentimento de tristeza, suscitando o desejo e a esperança de voltar a ter esse antigo estado.

Sentir saudades é quando a memória traz a lembrança de bons momentos da vida. Sentir saudades é sentir falta.

Sentir falta de alguém, de algo, de um lugar, de uma situação. Sentir aflorar uma certa tristeza, o sentimento de falta do que não é mais, o querer que o passado reviva. Sentir uma dor de perda, como um buraco que ficou negro e vazio na alma.

Você quer encaixar cada bom momento de volta, como se fosse um quebra-cabeças para montar e refazer o prazeroso quadro que foi se desfazendo nas partes que ficaram ao longo do caminho.

Você quer se aninhar naquela colcha aconchegante feita dos momentos de alegria e satisfação. Você não se sente completo e acredita que é por causa disso que não é feliz. Como diz a música, “Felicidade”, de Lupicínio Rodrigues:

“Felicidade foi-se embora, e a saudade no meu peito ainda mora.”

Lembranças saudosas são pedrinhas de brilhantes que fazem brilhar nosso caminho.

A conjugação condicional se estabelece na mente: se aquele momento estivesse de volta, a felicidade também estaria. Condiciona-se um momento inexistente – uma vez que pertencente ao passado – à realização, que somente  é possível no tempo presente.

A saudade se transforma num aprisionamento ao passado, impedindo de centrar-se no presente e criar novos bons momentos, novos vínculos afetivos para o deleite do coração.

E somente no presente é possível realizar, o que quer que seja. O passado já se foi, o futuro não chegou.

Um pensamento de Buda diz: “Não corras atrás do passado, não busques o futuro. O passado passou, o futuro ainda não chegou. Vê, claramente, diante de ti o agora. Quando o tiveres encontrado viverás o tranquilo e imperturbável estado mental.”

Tudo que teve a sua importância, proporcionou alegria, força, razão de viver, foram as pedrinhas de brilhantes que ladrilharam seu caminho, para você ir passando pela vida com motivação e segurança.

É isso que devem figurar essas saudosas recordações: o tempo bom que permite seguir adiante, sabendo que outros bons momentos também virão.

Noemi C. Carvalho

Você pode gostar de ler: 


LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter


Veja também

homem subindo um monte com uma grande cachoeira atrás como se tivesse emoções destrutivas

Dalai Lama explica como combater as emoções destrutivas que afetam nossa vida

Dalai Lama conversa sobre as emoções destrutivas, a responsabilidade do ego, a importância de treinar a mente e cultivar a paz de espírito. Leia aqui.

3 Comentários

  1. Filipa Ramos

    sugestão passe tudo para um livro e apresente numa livraria

  2. Filipa Ramos

    Tou muito curiosa… O que leva alguém a ler tanto sobre desenvolvimento pessoal e comportamental, espiritual, psicologia positiva, esoterismo, leis da atracão??

    Por coincidência também gosto!!

  3. Filipa Ramos

    excelente as emoções são boas. as boas causam felicidade e entusiasmos e vida infinita.

    as más emoções causam um estado de desânimo e aprisionamento. mas que sirvam só para experiência e boas lições de aprendizagem.

    Sugestão de autopratica diária: não deixes que as tuas emoções controlem as tuas ações. Deixa as tuas ações controlarem as tuas emoções. Ou seja não sejamos os nossos próprios inimigos… Temos de ser o nosso melhor amigo!!

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: