Home / Emoções / Ser incompleto significa ter espaços para preencher

Ser incompleto significa ter espaços para preencher

O fato de nos sentirmos incompletos nos dá a condição de explorarmos nossos vazios e preencher esses espaços.

Nós podemos não ser perfeitos como gostaríamos, mas não quer dizer que somos incompletos. Os outros podem não ser perfeitos como pretenderíamos. A vida pode não ser perfeita como imaginaríamos.

Mas o ser humano tem uma grande capacidade: a de reinventar.

Não podemos reinventar os outros. Não é fácil reinventar o mundo. Mas é possível nos reinventarmos. Olharmos para nós com outros olhos, pensarmos em nós com compreensão, compreendermos nossas fraquezas e sabermos que temos nossas qualidades.

Sobre a importância de valorizar nosso ser, compreender que ser incompleto significa ter espaços para preencher, para completar, para crescer, leia no texto a seguir de Adriana, do CVV – Araraquara -SP.

NOSSAS IMPERFEIÇÕES

O poeta Manoel de Barros dizia que para entender a intimidade do mundo era preciso desinventá-lo. A ideia da frase é dar importância àquilo que achamos desimportante, que muitos não valorizam, que tem um valor difícil de ser percebido.

O ‘ser’, por exemplo, para muitos é algo pouco valorizado, mas prestar atenção nisto talvez seja o primeiro passo para conhecer nossa intimidade e é nela, na maioria das vezes, que esconde-se em nosso avesso, onde nem tudo é perfeito e bonito como pintamos. A descoberta que se propõe é que dentro dessa possível imperfeição que todos somos há espaços vazios, abertos, à espera do encontro que pode ser o mais importante de nossas vidas, com nós mesmos.

Há inúmeros relatos de pessoas que se propõem a se conhecer e encontram em suas imperfeições uma grande oportunidade de aperfeiçoamento. Artistas natos que por alguma dificuldade motora, visual ou sensorial, ou por alguma mudança brusca em suas vidas, buscaram dentro de si a sensibilidade para se desenvolverem emocionalmente e se tornaram referência em suas áreas de atuação.

Muitos relatam que quando se permitiram navegar por mares internos nunca navegados, iniciaram o processo de aceitarem-se imperfeitos, de terem a sensação de serem obras inacabadas e se sentiram confortáveis com esta descoberta, que lhes deu novas perspectivas de vida.

Para a psicoterapeuta Gilla Bastos, toda pessoa para viver em sociedade quer pertencer a grupos e estar dentro dos padrões sociais aceitos, e com isto acaba por esconder seu lado imperfeito. “Só que ele é a nossa parte mais humana”, afirma. Para ela, aceitar-se incompleto é também deixar os nossos vazios existirem, mas envoltos de afetos, de compreensão e de amor. “É na imperfeição que encontramos a nossa subjetividade. E é nas brechas do imperfeito que há espaço para a existência e o convívio com o outro”.

Aceitar que não somos perfeitos pode fazer de nós o que somos, e o desconhecido que somos para nós mesmos pode nos surpreender. E neste nosso avesso pode estar guardada nossa plenitude, nossa felicidade, nosso ser de verdade. O imperfeito nos ensina a beleza da simplicidade e é ela que pode nos empurrar para a transformação e o crescimento. Manoel de Barros também escreveu que são os nossos olhos que renovam o mundo.

 

Adriana – CVV Araraquara -SP

 

***Precisando conversar ligue 188, 24 horas todos os dias ou acesse CVV

reprodução de publicação do Centro de Valorização da vida – CVV

 


Talvez você se interesse em ler também:


LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: