Home / Emoções / Thich Nhat Hanh numa conversa sobre felicidade

Thich Nhat Hanh numa conversa sobre felicidade

ilustração do monge Thich Nhat Hanh meditando ao lado de uma pequena mesa que tem um vaso com flores Thich Nhat Hanh felicidade

Nesta entrevista, concedida em 2013 a um jornal da Alemanha¹, Thich Nhat Hanh explica como se integram o sofrimento, a persistência, a esperança e a felicidade.

Nas palavras do mestre budista, “temos que acordar. Agora. Não daqui a três anos. Não devemos sacrificar nossa felicidade hoje para o futuro!”. A felicidade, portanto, não deve ser sacrificada em função da expectativa de realização de projetos para o futuro, nem por receio de encarar nossos medos e tristezas.

Leia abaixo a entrevista onde Thich Nhat Hanh fala que “alegria e felicidade devem ser as coisas mais importantes na vida.

O mestre sábio e gentil.

“Se Yoda, o mestre sábio de “Guerra nas Estrelas”, tivesse sido baseado em uma pessoa da vida real, ele teria sido baseado nesse homem. Sorrindo gentilmente, Thich Nhat Hanh, 86 anos, está sentado no chão de uma sala de meditação, com a cabeça raspada, vestindo a mesma túnica marrom de um iniciante budista, um pequeno bule de chá verde recém-preparado diante dele.

Este homem pequeno e gentil é considerado o representante mais significativo do budismo depois do Dalai Lama. Ele foi forçado a deixar sua terra natal no Vietnã em 1969, quando seus pedidos de reconciliação no meio da guerra do Vietnã desagradaram os comunistas no poder. Ele vive no exílio no sul da França, onde ensina budismo aos ocidentais.

Uma vez por ano, ele vem à Alemanha para ensinar monges, freiras e leigos na província da Renânia. Entrevistas? Raramente há tempo para elas. E, se houver tempo para uma, seus discípulos aproveitam a oportunidade para ouvi-lo falar.

Após 90 minutos, Thich Nhat Hanh ainda está sentado calmamente na posição de lótus, com as costas eretas enquanto as articulações de seus convidados estão doendo.

A entrevista onde Thich Nhat Hanh fala sobre a felicidade.

O sofrimento, a esperança, a felicidade

SZ : Você testemunhou muito sofrimento em sua vida. Como você conseguiu não perder a esperança?
Thich Nhat Hanh : Sim, testemunhei muito sofrimento, especialmente durante a guerra do Vietnã. Naquela época, eu estava ajudando a construir uma vila para refugiados na zona desmilitarizada quando foi bombardeada pelos americanos porque os vietcongues estavam escondidos lá. Então nós a reconstruímos. E foi bombardeado novamente. Então, reconstruímos novamente. Mais uma vez foi demolido. Na terceira vez discutimos se deveríamos reconstruí-lo novamente. Eu acreditava que, se desistíssemos, as pessoas perderiam toda a esperança. Então, reconstruímos as casas novamente pela terceira vez, depois pela quarta e finalmente pela quinta vez.

SZ : Mas onde você conseguiu forças para fazer isso?
TNH : Tentamos transformar o sofrimento em algo bom. Mesmo uma flor de lótus precisa de lama para crescer. Não pode crescer em mármore. Você precisa reconhecer que existe uma conexão estreita entre sofrimento e felicidade. Se você fugir do sofrimento, não poderá encontrar a felicidade. Pelo contrário, devemos tentar identificar as raízes do nosso sofrimento. Somente então podemos obter entendimento e cultivar compaixão.

Essas duas coisas são a chave da felicidade. Todo o dinheiro e poder do mundo não trará felicidade a menos que haja compreensão e compaixão. A única coisa que ajuda em face do fanatismo, opressão, medo e raiva é olhar profundamente na lama para permitir que uma flor de lótus cresça. Se você consegue reconhecer o sofrimento do seu agressor, não precisa odiá-lo.

Atenção plena, paz e alegria

SZ : Hoje você convida ocidentais para seus mosteiros, a fim de espalhar esses ensinamentos. O que exatamente você faz lá?
TNH : Você não precisa ser budista para aplicar nossa prática. Chamamos isso de atenção plena. Esta é a arte de viver no momento presente, um tipo de energia que você pode criar. A atenção plena ajuda as pessoas a liberar tensão e tristeza e a aproveitar mais suas vidas. Eles aprendem a lidar com o sofrimento, a raiva e a confusão. Depois de participar de um de nossos seminários, eles sabem como criar mais alegria e paz em suas vidas, como restabelecer a comunicação com os outros. Podemos ser chamados de budistas, mas, na verdade, nosso trabalho é universal.

SZ : Isso parece bastante abstrato.
TNH : Oh, na verdade é muito simples. Por exemplo, quando você caminha do estacionamento para o escritório, para de pensar naquele momento. Você anda apenas com os pés, não com a cabeça, passo a passo. É preciso prática, mas andar assim traz você de volta ao aqui e agora e faz de você uma pessoa livre. Aproveite cada passo. Quando você chegar ao seu escritório, poderá tomar boas decisões. É tão simples, realmente. Você vê, as práticas são muito concretas. E depois de apenas alguns dias, eles trazem transformação e cura. Você pode experimentar isso por si mesmo.

Uma história sobre a vida.

SZ : Mas as pessoas têm tantas coisas em que pensar, tanta pressão, tantas preocupações. Como você pode relaxar no caminho para o trabalho?
TNH : Eu gostaria de contar uma história sobre isso. Um tempo atrás, conheci uma jovem chamada Laura. O marido, Frederik, era um empresário de sucesso. Embora tivessem tudo, Laura não estava feliz porque não tinham tempo um para o outro ou para o filho. Frederik só tinha tempo para trabalhar. A princípio, ela se orgulhava dele, mas logo começou a se sentir sozinha. Ela tentou muitas coisas, voltou para a universidade e se formou, organizou eventos de caridade. Mas não ajudou. Ela costumava chorar à noite.

Frederik insistiu que ninguém poderia substituí-lo no trabalho. Ele disse que talvez daqui a três anos ele possa trabalhar menos. Mas três anos depois, ele ainda estava trabalhando tanto. Ele nem foi capaz de vir ao hospital quando seu filho teve uma operação. Então, um dia, Frederik sofreu um acidente de carro. Ele morreu. Três dias depois, alguém estava fazendo seu trabalho. Isso acontece com muitos. Temos que acordar. Agora. Não daqui a três anos. Não devemos sacrificar nossa felicidade hoje para o futuro!

Tristeza, medo, vazio interior e libertação

SZ : Por que existe tanto interesse em seus ensinamentos no Ocidente?
TNH : Estamos passando por uma profunda crise, principalmente no Ocidente. As pessoas estão fugindo de suas tristezas, têm medo. É por isso que eles estão consumindo cada vez mais: música, álcool, comida, Internet. Eles não consomem porque precisam dessas coisas, mas porque não conseguem suportar sua solidão, o vazio interior. Temos medo de que nossa tristeza possa nos dominar se a encararmos de frente. Mas a tristeza continua crescendo. Estamos cheios de arrependimentos sobre o passado, e medos e preocupações com o futuro. A prática da atenção plena nos ajuda. Quando abandonamos o passado e o futuro, libertamo-nos do nosso sofrimento.

Ensinamentos para a vida diária

SZ : Você mora no oeste há 50 anos. Isso mudou o seu trabalho?
TNH :Quando fui forçado ao exílio após a guerra do Vietnã, primeiro tive que me acostumar com a maneira ocidental de pensar e fazer as coisas. Isso me ajudou a apresentar os ensinamentos de tal maneira que a mente ocidental pudesse entender facilmente. Evito usar termos budistas; nós preferimos nos expressar de maneira muito simples. Por exemplo, “arrepender-se” é um termo muito pesado. Então, falamos sobre tocar a terra. Tocamos a terra e começamos de novo, deixamos o passado para trás.

Hoje, até traduzimos alguns desses termos de volta para vietnamita. Em todos os lugares, usamos um novo idioma para alcançar os jovens. As pessoas no Ocidente gostam dos nossos ensinamentos porque não há muitos rituais. Não devemos sobrecarregar os ensinamentos com muita teoria e complexidade. É tudo sobre a nossa vida diária. A propósito, o mesmo se aplica ao cristianismo.

SZ : Os reformadores raramente são bem-vindos pelos conservadores.
TNH : Isso mesmo. Como jovem monge, também tive dificuldades com budistas conservadores. Eu até tive que deixar meu próprio mosteiro. Então, junto com os amigos, criei um novo, no meio da selva. Mas no budismo somos apenas vagamente organizados, não temos uma espécie de Vaticano. Portanto, também não corremos o risco de ser excomungados.

Um modelo de negócios

SZ : Você publicou mais de 100 livros. Como você conseguiu fazer isso?
TNH : Fazemos isso juntos. Como um rio. Nosso lema é: faça parte do rio, não seja uma gota d’água. Flua com o rio. Nós não temos heróis individuais. Muitos livros não são escritos por mim: um irmão ou uma irmã toma nota de uma das minhas palestras, outro dá forma a ela. Tomamos decisões coletivamente: primeiro, discutimos um problema juntos, depois alguém faz uma sugestão para uma solução. Se você concorda, você permanece em silêncio. Se você tem uma opinião diferente, você se manifesta. Perguntamos três vezes se todos concordam. Se todos permanecerem em silêncio três vezes, a decisão será aprovada. É assim que fazemos negócios. Todo mundo poderia fazer assim, até empresas.

SZ : Você é um bom homem de negócios?
TNH : Sim. Descobrimos um bom princípio básico para nossa vida profissional: alegria e felicidade devem ser as coisas mais importantes. Sem isso, muito dinheiro não é de muita utilidade. Se trabalharmos de todo o coração e com alegria, teremos sucesso em nosso trabalho. E nosso negócio será bem sucedido. Mas nosso objetivo não é dinheiro – é comunidade.

Um sábio bem-humorado

SZ : Você parece estar completamente satisfeito. Você nunca é infeliz?
TNH : ( risos ). Você não ouviu bem, jovem! Você não entendeu o que eu disse. Felicidade não é possível sem tristeza e sofrimento. Nem eu posso cultivar flores de lótus em mármore.

¹Suddeutsche Zeitung (Alemanha), 8 de junho de 2013
Este artigo foi publicado no Jornal da Alemanha Meridional, o Suddeutsche Zeitung, para o fim de semana de sábado a domingo, de 1 a 2 de junho de 2013. Foi baseado em uma entrevista dada em agosto de 2012 no EIAB e foi traduzido do alemão. Entrevista de Malte Conradi e Sarah Raich
Republicação de Plum Village

Esta é uma entrevista de Thich Nhat Hanh de Agosto de 2012. Atualmente, aos 93 anos de idade, o mestre budista se recupera de um grave AVC sofrido em novembro de 2014, não tendo ainda recuperado a fala e movimentos do lado direito do corpo ( informações de Plum Village, acessado em 02/05/2020)

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

leaqui

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: