Home / Comportamento / Ação Social / Trabalho remoto: como lidar com as dificuldades que surgem

Trabalho remoto: como lidar com as dificuldades que surgem

Homem trabalhando em um computador na sua casa mostrando o trabalho remoto

Uma época inusitada que traz problemas inusitados.

O trabalho remoto tem se mostrado uma tendência, mas com a pandemia do coronavírus tornou-se uma necessidade.

O trabalho a partir de casa – ou home office – tem se mostrado uma boa alternativa para quem usa computadores como ferramenta de trabalho, principalmente por evitar a inconveniente perda de tempo e o estresse com trânsito e transporte público lotado. Com isso, além de evitar esse desgaste emocional, também sobra mais tempo para alguma atividade de lazer, para ficar com a família ou cuidar da casa.

Essa opção já vinha sendo adotada por várias empresas ao redor do mundo que implementaram o trabalho remoto pelo menos uma vez por semana, com a finalidade de melhorar a qualidade de vida e a produtividade.

Mas a atual crise provocada pela pandemia do coronavírus tornou o trabalho a distância uma necessidade, como uma forma de conter a proliferação do vírus.

Muitas pessoas, provavelmente a grande maioria, não estavam preparadas para essa mudança. E algumas dificuldades que começam a surgir podem interferir não só na produtividade, mas também no bem-estar.

E como não se sabe por quanto tempo será necessário manter as medidas de isolamento, é bom ver a necessidade de fazer alguns ajustes que podem melhorar o ambiente de trabalho de modo a harmonizá-lo com o ambiente doméstico.

Veja algumas sugestões para melhorar o ambiente de casa para o trabalho remoto.

Uma reportagem de Bryan Lufkin, da BBC Worklife, detalha algumas medidas que podem fazer a diferença para que o trabalho remoto não se torne um pesadelo.

Alguns dos principais pontos a serem observados para manter um bom ambiente de trabalho em casa, mantendo a produtividade e a concentração são os seguintes:

Mantenha o horário habitual

Continue acordando na mesma hora e fazendo as mesmas coisas habituais, ou seja, mantenha a rotina diária. O tempo excedente que você demoraria no transporte use para praticar exercícios, ler ou fazer alguma atividade que você goste.

Lembre que você vai andar menos durante o dia, seja pelo percurso até o trabalho como pelo deslocamento dentro da empresa, portanto inclua um tempo de exercícios para compensar.

Saia do pijama

É muito tentador ficar de pijama e até ficar na cama com o laptop no colo. Mas não faça isso. Troque de roupa, use o notebook sobre uma mesa, sente numa cadeira. Deixe claro para o seu cérebro que você não está de férias.

Atenção aos horários

Deixe alarmes no celular para marcar os horários de começo e fim da jornada de trabalho, bem como intervalo para almoço. É importante também procurar estabelecer com chefes e equipes horários para reuniões rotineiras. Podem também ser estabelecidos alguns minutos para comunicação de tarefas no começo e final do expediente.

Tome cuidado para não se enroscar nas malhas das redes sociais. Deixe para ver as novidades em horários de intervalo determinados.

Termine sua jornada de trabalho

Tenha especial atenção quanto ao horário de término para o expediente, porque uma pesquisa realizada em 2019 mostrou que o maior desafio encontrado por quem trabalha em casa é se desconectar do trabalho, uma vez que não existe o espaço físico que delimita o ambiente e, consequentemente, a jornada de trabalho.

A sugestão é que você use alguns “marcadores” que definam o espaço de tempo como, por exemplo, tomar um café logo antes de começar e fazer 10 minutos de exercícios físicos para marcar o encerramento.

Monte seu escritório personalizado

Nem todo mundo tem um escritório ou um cômodo que possa ser usado exclusivamente para trabalho, mas procure criar um espaço o mais adequado possível. Mesmo que tenha que deslocar alguns móveis, tente ficar longe de distrações, como televisão, telefone, rádio e entra e sai de pessoas.

Mesmo que você tenha que usar a mesa da cozinha ou da sala, converse com as pessoas que moram com você, para que entendam suas necessidades para se concentrar e manter o foco e que, quando você está nesse seu local de trabalho, é como se você estivesse trabalhando fora.

Ajuste as medidas

Dentro do possível, se você usa notebook, procure ajustar a altura da cadeira para que fique confortável, bem como do campo visual da tela. Se precisar, faça uma base de sustentação com livros, revistas, papelão de caixas, para que fique numa boa altura para os olhos. Esses cuidados são para evitar dores lombares, do pescoço e ombros.

Mantenha uma boa iluminação, de preferência com luz natural ou luz branca, e uma boa ventilação.

Mantenha uma boa alimentação

Tome cuidado para não cair na tentação de beliscar toda hora, afinal, a cozinha está logo ali. Por isso mantenha os intervalos nos horários habituais. Alimentação saudável, leve e balanceada é importante em qualquer situação da vida, e mais ainda agora, quando a ansiedade pode levar a comer pouco ou em excesso.

Antes de sentar para trabalhar, lembre de deixar uma garrafa de água à mão, porque a hidratação também é importante.

Filhos pequenos em casa, trabalho dobrado

Quem tem filhos pequenos, certamente tem uma dose extra de ajustes a fazer se as crianças estiverem em casa por causa das escolas fechadas.

Será preciso manter uma ou várias e repetitivas boas conversas com elas explicando a mudança da situação, a importância de você fazer seu trabalho e de não interromperem a todo momento.

Procure dar-lhes atividades e jogos que as ocupem por um bom tempo, e cuidado para não exagerar no tempo de televisão e jogos digitais. Alterne horários com outras pessoas que também estejam em casa, principalmente se são bebês ou crianças muito pequenas, que precisam de mais atenção.

Naturalmente, essa situação precisa de uma conversa franca com os gerentes, para combinar ajustes que se façam necessários para atender às necessidades familiares e para não prejudicar o desempenho do trabalho.

Atenção ao sentimento de solidão

O mesmo estudo referido acima descobriu que a solidão é a segunda queixa mais frequente quando se trata de trabalho remoto. Principalmente para quem mora sozinho, o sentimento de solidão pode trazer desmotivação e diminuir a produtividade.

A recomendação é que as pessoas tentem manter uma certa regularidade nos hábitos de socialização, fazendo festas e comemorações virtuais, dias de jogos on-line, o horário de almoço ou de café.

Quem mora com a família pode não achar necessário esse tipo de entrosamento, mas é bom avaliar se isso não seria uma ajuda preciosa para quem está sozinho e pode entrar num estado de ansiedade e depressão em razão do isolamento. A sensação de apoio, de pertencimento, de não estar sozinho, de ter alguém “por perto” se precisar de alguma coisa diminui o peso destes momentos tão difíceis.

Mantenha o bom ânimo

Não tem como negar que estamos vivendo tempos estressantes, de preocupações e incertezas. Mas procure manter o bom ânimo e repassar isso para seus colegas.

E principalmente se você for gerente ou líder de equipe, reconheça as dificuldades que as pessoas podem estar tendo para exercer seu trabalho, talvez tendo que lidar com crianças pequenas ou pessoas adoentadas, o que não aconteceria numa situação de normalidade. Ou pessoas que comecem a apresentar sinais de ansiedade e depressão.

Estamos vivendo uma situação incomum, que precisa de medidas incomuns de adaptação. E o diálogo e a compreensão serão fundamentais para superar este dramático episódio de nossas vidas.

Noemi C. Carvalho

Reportagem original de Bryan Lufkin, na página da BBC Worklife

Leia mais dicas e informações sobre alimentação, trabalho remoto, uso de máscaras de proteção e outros assuntos no Painel da pandemia: o que você precisa saber

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitter

Acompanhe as publicações inscrevendo-se para receber:
– Newsletter
– Notificações

Veja também

imagem de um profissional da saúde, enfermeiro paramentando-se com equipamentos de segurança profissionais saúde mortes pandemia

Profissionais de saúde: milhares de mortes entre os heróis anônimos da pandemia

Os profissionais de saúde que atuam na linha de frente estão entre os heróis da pandemia, mas o número de mortes entre eles é catastrófico.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: