Anúncios
Home / Comportamento / Trago lírios brancos

Trago lírios brancos

Um breve relato sobre a origem da Páscoa

Após o período de vigília, como era costume na época, três mulheres – Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago – se encaminharam ao túmulo de Jesus para ungi-lo com óleos aromáticos. Ali chegando, viram que a pedra que lacrara a sepultura tinha sido removida. Nesse instante, Maria avistou dois anjos e Jesus, que ela não reconheceu de imediato. Jesus pediu a ela que contasse aos discípulos que ele iria ascender ao Pai, o que ela se apressou em fazer.(*)

A origem da Páscoa cristã é decorrência da Páscoa judaica, o Pessach – o Êxodo relatado no Antigo Testamento, quando os judeus fizeram sua passagem para a liberdade. A Páscoa cristã também traz a referência à passagem de Cristo para o mundo espiritual, e a libertação dos sofrimentos. Jesus ressignificou a ceia de Páscoa judaica quando preparou seus seguidores para o que lhe ocorreria durante a Última Ceia. Ao criar a Eucaristia, ele atrelou a simbologia do pedaço de pão e da taça de vinho ao seu corpo, que seria sacrificado, e ao seu sangue, que seria derramado.

No período entre a crucificação e a ressurreição, conforme os relatos dos apóstolos: «Assim também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para nos levar a Deus, sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no Espírito, no qual também foi pregar aos espíritos em prisão.» (I Pedro 3:18-20). Esta passagem forma a base teológica que sustenta a frase “Ele desceu ao inferno”, que consta no Credo dos Apóstolos e deu origem à tradição da Descida de Cristo ao Inferno.

Essa descida ao “Hades”, ao “inferno”, metafisicamente significa a descida que devemos realizar ao nosso mais sombrio inconsciente, para ali enfrentarmos os demônios de nossos vícios e imperfeições. Assim poderemos iluminar nossa consciência, dissolvendo as antigas e falhas programações, cristalizadas em hábitos nocivos que nos afastam de nossos verdadeiros propósitos.

Os lírios se vestem do mais alvo manto, retratando o branco da purificação

Celebramos, no dia de hoje, a vida, o renascimento. Carreguemos os brancos lírios da purificação, para trás deixemos os espinhos do sofrimento, superando as aparências e nos entregando firmemente ao amor. Dessa forma, alcançaremos  a mudança na consciência, desvelando o mundo de sombras do inconsciente que nos submeteu aos descaminhos e nos afastou de nossa real identidade.

Em uma semana que se iniciou com os ramos da aceitação da mensagem verdadeira de Cristo e se finda com os lírios que retratam o branco da purificação e a divindade do Filho de Deus, não podemos deixar que nenhuma manifestação sombria da crucificação interfira na caminhada até o propósito da aceitação da verdade.

Páscoa é paz, não dor. O Cristo redivivo significa o perdão do Filho de Deus, a remissão dos que compreendem que seguindo os passos do Mestre transcenderemos nossa ignorância inconsciente para nos unirmos à essência de que somos feitos.

Uma boa, linda e feliz Páscoa.

Que o amor possa renascer em nosso ser e brilhar alto.

 

José Batista de Carvalho

 

com informações Wikipedia

Anúncios

Veja também

Captura de tela da página inicial do novo site.

Novo site de LêAqui

Em 2020, vamos ver com clareza a nossa vida, usar nossa força interior para fortalecer nossa esperança e nosso entusiasmo. Vamos entrar nessa boa vibração a que este novo ano nos convida.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.