Home / Emoções / Um amor (quase) incondicional

Um amor (quase) incondicional

Sobre nossos amigos de quatro patas

Fala-se sempre da beleza e da sublimidade do amor incondicional, ofertado sem condições de reciprocidade, do amor espontâneo desvinculado de interesses, do amor que acarinha e protege sem possuir. O amor dos santos, dos anjos, dos deuses, dos mestres e das pessoas iluminadas pelo nobre sentimento que cultivaram.

Hoje quero falar de um outro tipo de amor, que é um amor quase incondicional porque tão pouco pede em troca. Refiro-me aos animais, de modo geral, mas vou me deter em nossos amigos caninos, e no que com eles podemos aprender.

Certo é que os cães, assim como as pessoas, têm sua individualidade, suas características próprias de temperamento. Mas, normalmente, eles não pedem muito para viver bem: água e comida – no segundo caso, claro que eles acham que quanto mais melhor!, companhia e carinho – estes dois o tempo todo, se possível!

Estava fazendo algumas pesquisas para começar com uma visão geral de sua origem, a fácil adaptabilidade – o que os levou a um estreito relacionamento com a espécie humana -, pequisas realizadas referentes a instinto e inteligência – que lhes conferem amplo campo em serviços prestados em diversas atividades.

Falaria, em seguida, sobre algumas de suas qualidades e a estreita relação de companheirismo que conseguem manter conosco. Mas encontrei na Wikipedia um belo texto retratando as melhores virtudes de nossos amigos de quatro patas:

“Neste relacionamento homem e animal, o cão não se importa se seu dono reside em uma mansão ou na rua, qual a sua religião ou a cor de sua pele. Vasilhas com água limpa e comida, cuidado, carinho e respeito são o suficiente para conquistar a confiança dele, que por isso, recebeu o título de melhor amigo do homem, antes mesmo da frase ser dita pela primeira vez. Em retribuição aos cuidados, o canino está sempre disposto a acompanhar o humano, não difama ninguém e não se importa com a aparência dos outros.”

Não creio que haja muito a acrescentar.

Apenas a refletir.

 

Noemi C. Carvalho

 


Este post é uma homenagem à Estrela, que foi uma grande companheira por 16 anos.

Sempre alegre, ativa, brincalhona, bagunceira, com uma eterna cara de moleca, carinhosa, dedicada e protetora, sua vestimenta carnal não estava mais conseguindo acompanhar tanta vitalidade. Até que, em junho deste ano, como tudo que tem a vida mantida num elemento material, ela não pôde mais ficar conosco. Uma vira-lata que virou nossos corações do avesso de tanta afeição que compartilhou e de tanta saudades que deixou.

Todo nós, sua família humana e sua “irmãzinha” mais velha – a gatinha Link (a origem de seu nome é uma longa história…) – somos eternamente gratos a Deus e a ela, por ter feito parte de nossas vidas.


 

Veja também

homem subindo um monte com uma grande cachoeira atrás como se tivesse emoções destrutivas

Dalai Lama explica como combater as emoções destrutivas que afetam nossa vida

Dalai Lama conversa sobre as emoções destrutivas, a responsabilidade do ego, a importância de treinar a mente e cultivar a paz de espírito. Leia aqui.

Um comentário

  1. Filipa Ramos

    Gostei

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: