Home / Autoconhecimento / Autoconhecimento de um jeito prático, explicado por Santo Agostinho

Autoconhecimento de um jeito prático, explicado por Santo Agostinho

foto de um home de perfil segurando uma máscara com a mão autoconhecimento Santo Agostinho

Como praticar o autoconhecimento, segundo Santo Agostinho.

Santo Agostinho explica que o autoconhecimento é a “chave do progresso individual” e indica o que podemos fazer para nos autoconhecer. Sua mensagem é parte de “O Livros dos Espíritos”, obra compilada por Allan Kardec e considerada a obra fundadora da Doutrina Espírita, ou Espiritismo.

Em resposta à pergunta feita sobre qual é o meio prático e mais eficaz pelo qual podemos melhorar nossa vida, Santo Agostinho dá uma resposta simples e direta:

“Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.”, frase que é atribuída ao filósofo grego Sócrates (470–399 a.C.).

Outra pergunta se seguiu, desta vez pedindo orientação sobre qual o meio para superar as dificuldades e conseguir conhecer a si mesmo. Para isso, Santo Agostinho responde dando o exemplo de sua própria vida:

“Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma.”

A receita de Santo Agostinho para o autoconhecimento.

Portanto, podemos entender que a primeira atitude para nos autoconhecermos é revisarmos o que fizemos ou deixamos de fazer durante o dia que passou, o que falamos e a forma como o dissemos, “rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem”.

Para que essa ação não se perca em considerações e justificativas, o benfeitor espiritual torna a análise bem objetiva e orienta que você considere:

  • como você agiu em determinada circunstância
  • qual era de fato o seu objetivo naquela ocasião
  • se você censuraria outra pessoa que tivesse agido do mesmo jeito
  • se você quer manter em sigilo algo que você fez

E pergunte, ainda mais, diz Santo Agostinho: “Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?”.

E assim podemos começar a jornada do autoconhecimento, examinando, em primeiro lugar, o que talvez tenhamos feito que possa ser considerada uma ação contra os princípios divinos. Em seguida, se alguma atitude foi contra o próximo e, finalmente, contra nós mesmos. “As respostas”, esclarece o benfeitor, “vos darão ou o descanso para a vossa consciência ou a indicação de um mal que precise ser curado.”

A análise sincera de nossas atitudes é fundamental.

Essa análise das atitudes diárias pode parecer difícil de ser feita, porque, como exemplifica Santo Agostinho, “como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor-próprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhoso julga que em si só há dignidade.”

Existe um meio infalível para verificar a real tendência de nossas ações e não nos iludirmos com considerações que só procuram justificá-las. Basta que nos perguntemos como as classificaríamos se tivessem sido praticadas por outra pessoa. Se julgamos de forma negativa e condenamos a atitude, o mesmo vale para nós, “pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de sua justiça.”

E se ainda assim continuar a dúvida, devemos procurar saber a opinião de outras pessoas, inclusive de inimigos, porque “esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca ao vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo.”, explica Santo Agostinho.

Ou seja, como esclarece o benfeitor, precisamos fazer uma análise sincera da consciência, quando existe um profundo desejo de se melhorar. Só assim é possível “extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas.”

E como um comerciante que, no final do dia faz o balanço de seu trabalho, também devemos fazer esse balanço moral para avaliar nossas perdas e lucros. Como bem diz o bondoso Santo, “se puder dizer que foi bom o seu dia, poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida.”

O autoconhecimento merece dedicação, afirma Santo Agostinho.

A orientação segue reforçando a importância de fazer perguntas objetivas e precisas, mesmo que elas se desdobrem em outras questões, dedicando o tempo que for necessário para uma introspecção cuidadosa.

“Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos, o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias?

Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias, turbado sempre pelas enfermidades do corpo, em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços?”

Santo Agostinho se refere, então, à vida espiritual, à continuação da vida depois da morte do corpo físico. Isto é o que pode nos motivar a não desistir, enfrentando os desafios que podem surgir nessa proposta do autodescobrimento.

Afinal, quando pensamos em melhorar a qualidade de vida, não podemos ter em mente só os poucos anos que ainda teremos pela frente na vida terrena, quando comparados à vida eterna do espírito imortal.

Assim, o benevolente espírito afirma: “Sei haver muitos que dizem ser positivo o presente e incerto o futuro. Ora, esta exatamente a ideia que estamos encarregados de eliminar do vosso íntimo, visto desejarmos fazer que compreendais esse futuro, de modo a não restar nenhuma dúvida em vossa alma.”

Um modo de chamar a atenção, visando o bem maior.

Em seguida, Santo Agostinho se refere aos fenômenos registrados em várias localidades, no século XIX, com o surgimento das chamadas ‘mesas girantes’. Foi a partir delas que se aguçou a curiosidade e foi despertado o interesse que levou Allan Kardec a realizar o trabalho que resultou na Codificação da Doutrina Espírita:

“Por isso foi que primeiro chamamos a vossa atenção por meio de fenômenos capazes de ferir-vos os sentidos e que agora vos damos instruções, que cada um de vós se acha encarregado de espalhar. Com este objetivo é que ditamos ‘O Livro dos Espíritos’.”, conclui Santo Agostinho.

O comentário feito por Allan Kardec.

Allan Kardec comenta o ensinamento de Santo Agostinho, reconhecendo que “muitas faltas que cometemos nos passam despercebidas. Se, efetivamente, seguindo o conselho de Santo Agostinho, interrogássemos mais amiúde a nossa consciência, veríamos quantas vezes falimos sem que o suspeitemos, unicamente por não perscrutarmos a natureza e o móvel dos nossos atos.”

Kardec ressalta que “a forma interrogativa tem alguma coisa de mais preciso do que uma máxima, que muitas vezes deixamos de aplicar a nós mesmos. Aquela exige respostas categóricas, por um sim ou um não, que não abrem lugar para qualquer alternativa e que não outros tantos argumentos pessoais. E, pela soma que derem as respostas, poderemos computar a soma de bem ou de mal que existe em nós.”

Em outras palavras, podemos desviar nossa atenção quando consideramos apenas conceitos teóricos e também podemos considerar que, por alguma razão, eles não se aplicam a nós, ou simplesmente nos esquecemos deles, justamente por falta de colocá-los em prática.

Mas quando a resposta se restringe a ‘sim ou não’, podemos somar os pontos positivos e os negativos como num simples teste. O autoconhecimento se transforma, assim, em uma tarefa mais prática e possível de ser realizada, mas nem por isso menos importante ou desafiadora.

Noemi C. Carvalho

texto baseado na Questão 919 de ‘O Livro dos Espíritos’ – ‘Conhecimento de si mesmo’

ASSINE GRATUITAMENTE NOSSA NEWSLETTER

leaqui

Política de PrivacidadePolítica de Cookies Política Anti-Spam

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.
Também nas redes sociais: Facebook – Instagram – PinterestTwitterYouTube

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossas publicações

Receba nossas publicações em sua caixa de e-mails

Após se cadastrar você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

 

LêAqui: a mensagem certa na hora certa.

 

Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição.

%d blogueiros gostam disto: